“Fragmentação do Iêmen está se tornando uma ameaça mais forte e dramática”

20 agosto 2019

Enviado da ONU disse ao Conselho de Segurança que contacta vários grupos em busca de meios políticos pacíficos para resolver a questão; na área humanitária, falta de água e saneamento pode expor 300 mil deslocados ao risco de cólera.

A fragmentação do Iêmen está se tornando uma ameaça mais forte e dramática, alertou esta terça-feira o enviado especial do secretário-geral para o país.

Falando em sessão do Conselho de Segurança que debateu a crise iemenita, Martin Griffiths explicou que essa situação torna mais urgentes do que nunca os esforços internacionais no processo de paz.

Enviado especial para o Iêmen, Martin Griffiths, participa em encontro do Conselho de Segurança, Foto ONU/Loey Felipe

Riscos 

Segundo o representante, “não há tempo a perder e os riscos estão se tornando muito altos para o futuro” do país, do povo e da região.

Para Griffiths, esse senso de urgência contrasta com os esforços internacionais feitos até agora para resolver o conflito onde “cada etapa foi disputada, negociada, pressionada e atrasada”.

Como exemplo das frustrações nesse processo, o enviado destacou a abertura do aeroporto de Sanaa, que ainda é aguardada, dizendo que vôos humanitários negociados por muitos meses ainda não começaram.

Para o representante,  o Acordo de Estocolmo, que prevê reforçar a confiança e permitir o apoio humanitário, “é vulnerável” quando oscila o compromisso com uma solução pacífica. 

Confrontos em Áden 

Griffiths destacou os confrontos entre as Brigadas de Protecção Presidencial, das autoridades reconhecidas pela comunidade internacional, e as forças afiliadas aos separatistas do Conselho de Transição do Sul, que acontecem desde o início de agosto em Áden.

O enviado disse que tem buscado meios políticos pacíficos para resolver essa questão e  teve conversas com vários grupos das províncias do sul e de outras partes do Iêmen, que segundo ele devem ser incluídas no processo de paz.

O apelo a todos os interessados é que tomem os eventos em Áden como um sinal claro de que o atual conflito deve acabar de forma rápida, pacífica e de uma forma em que sejam atendidas as necessidades dos iemenitas em todo o país.

Crise Humanitária

Na sessão, a secretária-geral assistente para os Assuntos Humanitários, Ursula Mueller, disse que 300 mil deslocados podem ficar expostos ao risco de cólera com a iminente interrupção de serviços de água e saneamento.

A outra preocupação é com a redução de fundos para prestar cuidados a crianças malnutridas, uma situação que pode causar a morte de 23 mil bebês que sofrem de desnutrição.  

Nessa situação, que leva as Nações Unidas a liderar a maior operação humanitária do mundo, são assistidas 12 milhões de pessoas com água, comida, serviços de saúde e outros pelo país inteiro.

Ursula Mueller reiterou que somente uma política sustentável pode abordar a enorme crise humanitária do país árabe, onde a “paz é mais necessária que nunca”.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Iêmen: ONU preocupada com violência que causou centenas de vítimas em Áden

Cerca de 40 pessoas foram mortas na cidade que foi palco de combates entre rebeldes e tropas leais ao governo apoiado pela comunidade internacional; outros 260 iemenitas ficaram feridos nos confrontos dos últimos dias.