Iêmen: ONU preocupada com violência que causou centenas de vítimas em Áden

14 agosto 2019

Cerca de 40 pessoas foram mortas na cidade que foi palco de combates entre rebeldes e tropas leais ao governo apoiado pela comunidade internacional; outros 260 iemenitas ficaram feridos nos confrontos dos últimos dias.

As Nações Unidas informaram que estão acompanhando de perto os desenvolvimentos no terreno na cidade de Áden, no sul do Iêmen.

A organização expressa “particular preocupação” com o impacto da violência sobre os civis na cidade portuária na sequência de combates entre forças rebeldes e tropas leais ao governo apoiado pela comunidade internacional.

Mortos e Feridos

De acordo com dados preliminares do escritório do coordenador residente e humanitário das Nações Unidas no país, cerca de 40 pessoas foram mortas e 260 ficaram feridas nos últimos dias.

Agências de notícias informaram que forças separatistas teriam assumido o controle efetivo da cidade, onde a aliança liderada pela Arábia Saudita disse ter realizado ações militares.

A ONU apela a todas as partes que exerçam “máxima contenção” e observem o direito internacional humanitário e o direito internacional dos direitos humanos.

Instabilidade

O documento, emitido pelo porta-voz do secretário-geral, saúda a iniciativa da Arábia Saudita de convocar uma reunião entre as partes interessadas na cidade de Jeddah, para resolver as diferenças através do diálogo.

Para as Nações Unidas é essencial que todas as partes trabalhem "para garantir que os eventos dos últimos dias não levem a mais instabilidade em Áden ou em qualquer outra parte do Iêmen".

A nota termina enfatizando que o conflito no país só pode ser resolvido por meio de um processo político inclusivo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Aumento da violência no Iêmen preocupa chefe da ONU

Em nota emitida pelo seu porta voz, António Guterres fez apelo para que partes envolvidas cessem hostilidades; dezenas de civis foram mortos e feridos desde 8 de agosto, quando iniciaram combates na cidade de Aden.

Peritos da ONU falam de possíveis “crimes de guerra” no Iêmen

Grupo de Peritos Eminentes destaca ataques que violaram princípios de distinção e proporcionalidade; lista confidencial de nomes será entregue ao Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas.