Secretário-geral condena ataques terroristas no Quênia e na Somália
BR

16 junho 2019

No Quênia, pelo menos oito policiais foram mortos e outros ficaram feridos; explosão de carro-bomba em posto de controle na Somália matou pelo menos oito pessoas e deixou outras feriadas.

Em nota emitida pelo seu porta-voz, o secretário-geral, António Guterres, condenou o ataque ocorrido neste sábado,no condado de Wajir, no Quênia. Pelo menos oito policiais foram mortos e outros ficaram feridos quando o veículo em que estavam atingiu um dispositivo explosivo improvisado. 

O ataque ocorre após o sequestro de três reservistas da polícia queniana no condado de Wajir na sexta-feira. O ato foi assumido pelas milícias al-Shabaab, segundo agências de notícias.

Somália

O secretário-geral também condenou a explosão de um carro-bomba em um posto de controle em Mogadíscio, na Somália, que matou pelo menos oito pessoas e deixou outras feridas. O grupo al-Shabaab também assumiu a autoria do ataque.

Guterres expressou suas mais profundas condolências às famílias das vítimas e aos governos e povos do Quênia e da Somália. Ele deseja uma rápida recuperação para os feridos.

O chefe da ONU expressou ainda a solidariedade das Nações Unidas aos governos do Quênia e da Somália em seus esforços para combater o terrorismo e o extremismo violento.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU condena ataques a bomba que mataram dezenas na Somália

Segundo relatos,  duas explosões aconteceram no sábado na capital Mogadíscio; para representante especial do secretário-geral no país, atos são “outro ataque covarde contra o povo da Somália e seu direito inerente de viver em paz e dignidade”. 

ONU condena ataque na Somália que matou pelo menos duas pessoas

Homem-bomba detonou explosivos na cidade de Gaalkacyo, onde forças de segurança estavam estacionadas; representante especial da ONU no país diz que é hora de chegar a um acordo.