ONU condena ataque na Somália que matou pelo menos duas pessoas

Michael Keating esteve na Somália em Abril.
ONU
Michael Keating esteve na Somália em Abril.

ONU condena ataque na Somália que matou pelo menos duas pessoas

Paz e segurança

Homem-bomba detonou explosivos na cidade de Gaalkacyo, onde forças de segurança estavam estacionadas; representante especial da ONU no país diz que é hora de chegar a um acordo.

A Missão das Nações Unidas na Somália, Unsom, condenou o atentado suicida de sábado na cidade de Gaalkacyo, que matou agentes de segurança do governo e civis.

O chefe da Unsom e representante especial da ONU para a Somália, Michael Keating, disse que "este ataque ocorreu porque os extremistas se sentem ameaçados pelo progresso alcançado na reconciliação em Gaalkacyo."

Paz

Keating afirmou que o país sofreu "violência e derramamento de sangue" e que "é hora de chegar a um acordo".

Segundo ele, "as pessoas e autoridades de Gaalkacyo estão, de forma corajosa, procurando um caminho para seguir em frente; elas não devem ser prejudicadas por este ataque às suas possibilidades de um futuro pacifico."

Ataque

De acordo com a Unsom, na manhã de sábado um homem-bomba detonou explosivos na área da cidade conhecida como Jiiro Abdullahi Yusuf, onde forças de segurança estavam estacionadas, matando pelo menos dois comandantes de forças de segurança e civis.

O grupo Al-Shabaab reivindicou a responsabilidade pelo ataque.

Numa nota, a Unsom expressa as suas condolências às famílias e colegas das vítimas e deseja uma rápida e completa recuperação aos feridos.

 

Apresentação: Alexandre Soares