Cartão eletrónico vai apoiar milhares de produtores vítimas do ciclone Idai em Moçambique

As necessidades agravadas por secas e inundações consecutivas em Moçambique podem prejudicar a colheita de março de 2020.
Ocha/Saviano Abreu
As necessidades agravadas por secas e inundações consecutivas em Moçambique podem prejudicar a colheita de março de 2020.

Cartão eletrónico vai apoiar milhares de produtores vítimas do ciclone Idai em Moçambique

Ajuda humanitária

FAO colabora com governo na implementação de programa financiado com € 350 mil da União Europeia; iniciativa deve beneficiar cerca de 7 mil pessoas das províncias centrais de Sofala e Manica. 

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, fornece apoio técnico ao Governo de Moçambique para que cerca de 7 mil produtores agrários tenham acesso ao sistema de cartão eletrónico. O chamado e-voucher foi reintroduzido no país como parte da resposta à emergência pós-ciclone no centro.  

O programa financiado pela União Europeia é implementado pela FAO no âmbito da iniciativa “Acelerar o progresso para o alcance do Objetivo de Desenvolvimento do Milénio 1c em Moçambique”.

Mulher carrega seu bebê em reassentamento para pessoas deslocadas por ciclones em Moçambique.
Mulher carrega seu bebê em reassentamento para pessoas deslocadas por ciclones em Moçambique, Unicef/Karel Prinsloo

Pequenos Produtores

Falando à ONU News, em Maputo, o coordenador nacional do subprograma da FAO em Moçambique, Alberto Di Grazia, explicou como serão desenvolvidas as atividades.

“Esta é uma intervenção específica da FAO no âmbito da emergência, utilizando os fundos da União Europeia. Temos uma estimativa de € 350 mil de fundos que vão ser disponibilizados. Foram também providenciados, para os pequenos produtores, sementes básicas e fertilizantes com objetivo de garantir a nível da comunidade uma quantidade de semente melhorada que será utilizada na campanha agrícola 2019- 2020”.

O programa atribui  2.300 meticais, equivalentes a US$ 38, por beneficiário. O objetivo é permitir que o agricultor adquira gratuitamente os insumos através do cartão eletrónico.

Prioridades

Os produtores são dos distritos de Nhamatanda na província de Sofala, e Gondola, Macate, Sussundenga e Vanduzi na província de Manica. Di Grazia destaca as prioridades nessas áreas onde passou o ciclone mais arrasador  da África Austral em décadas.

“A FAO fez uma selecção inferior dos beneficiários com o objetivo de abranger os mais  vulneráveis e também os que não tinham sido incluêdos em outras intervenções da FAO, outras agências ou ONGs em resposta ao ciclone Idai. Foi decidido apoiar mais 2 mil pequenos agricultores com objetivo de complementar o número anterior previsto, chegando a 7,5 mil produtores.”

Desastre

A ação da FAO terá maior incidência nas províncias do centro de Moçambique onde foi danificada a maior parte dos 800 mil hectares de culturas pelo desastre natural.

Mais de 400 mil pessoas foram deslocadas e cerca de 1,8 milhão de pessoas passaram a precisar de assistência na sequência do ciclone Idai, o primeiro dos dois fenómenos que este ano assolaram o país num espaço de seis semanas.

 

*De Maputo para ONU News, Ouri Pota.