ONU anuncia US$ 45 milhões de ajuda para combater fome na África Oriental

6 junho 2019

Subsecretário-geral de Assuntos Humanitários, Mark Lowcock, anuncia reforço de financiamento; maior parte dos fundos servirá para apoiar a Somália; resposta humanitária continua subfinanciada.

O subsecretário-geral de Assuntos Humanitários da ONU, Mark Lowcock, anunciou alocação de US$ 45 milhões do Fundo Central de Resposta a Emergências, Cerf, para ajudar as populações afetadas pela seca em partes da Somália, da Etiópia e do Quénia.

Reforçar a assistência alimentar, aumentar a provisão de água potável e outros apoios humanitários são necessários para lidar com os problemas alimentares que resultam da escassa chuva desta temporada.

Este reforço das verbas complementará os esforços dos governos destes três países.

Somália

A maior parte dos fundos, US$ 30 milhões, irá para a Somália, onde se estima que que 2,2 milhões de pessoas enfrentam uma aguda insegurança alimentar até setembro.Undp Somalia/Said Isse

A maior parte dos fundos, US$ 30 milhões, irá para a Somália, onde se estima que que 2,2 milhões de pessoas enfrentam uma aguda insegurança alimentar até setembro, mais 40% do que em janeiro deste ano.

Segundo o Escritório da ONU de Assuntos Humanitários, Ocha, mais de 3,2 milhões de pessoas estão em dificuldades para garantir subsistência alimentar.

Lowcock considera que “a alocação de resposta rápida do Cerf permitirá que as organizações humanitárias aumentem rapidamente a sua assistência, especialmente na Somália, onde a seca se intensificou mais rapidamente levando a uma situação humanitária em rápida deterioração."

Seca

O responsável lembra que “o que estava previsto ser uma estação chuvosa média na Somália é agora um dos períodos mais secos já registados em mais de 35 anos."

A fraca temporada chuvosa de abril a junho segue abaixo do desempenho médio das chuvas curtas, que caem entre outubro e dezembro.

Por isso, Lowcock sublinha que “as comunidades que já estavam vulneráveis ​​devido a secas passadas estão novamente a enfrentar fome, escassez de água e em risco de doenças transmissíveis mortais.

A 20 de maio, as agências humanitárias lançaram um plano de resposta à seca, solicitando US$ 710 milhões para ajudar urgentemente 4,5 milhões de pessoas.

No entanto, o Plano de Resposta Humanitária da Somália para 2019 de US$ 1,08 bilhão, só foi financiado em 22%. Ainda segundo o Ocha, o Fundo Humanitário da Somália está atualmente esgotado.

Etiópia

Enquanto isso, a vizinha região somali da Etiópia vive uma segunda temporada consecutiva de seca e ainda se recupera dos efeitos da seca prolongada de 2016 e 2017.
Unicef/Patricia Esteve

Enquanto isso, a vizinha região somali da Etiópia vive uma segunda temporada consecutiva de seca e ainda se recupera dos efeitos da seca prolongada de 2016 e 2017.

Ao anunciar esta contribuição do Cerf de US $ 10 milhões, Lowcock pediu aos doadores que aumentem seu apoio na resposta à seca e ao deslocamento interno de populações.

Quénia

No Quénia, a alocação de US$ 5 milhões do Cerf complementará o programa do governo contra a fome. Partes das regiões áridas e semiáridas do país foram duramente atingidas pela seca, após o início tardio das chuvas de março a maio.

As secas continuam a ser um fenómeno meteorológico recorrente nesta região e Lowcock tem apelado a medidas precoces mais sistemáticas, incluindo a disponibilização de fundos, com base em alertas precoces, para ajudar a mitigar as consequências humanitárias esperadas através de uma série de atividades realizadas antes o início de uma crise.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres destaca “energia e otimismo dos jovens” em Dia da África

Secretário-geral disse que houve “um salto quântico na cooperação” entre Nações Unidas e União Africana; tema desse ano é refugiados, retornados e deslocados internos.

Série de Diálogos sobre África debate soluções para refugiados, retornados e deslocados

Até quinta-feira, evento cria interação entre governos, altos funcionários da organização, especialistas e acadêmicos em Nova Iorque; secretário-geral da ONU pede apoio internacional mais forte e continuação da liderança africana nestes temas.