“O que está acontecendo no mundo?”, questiona ONU em reunião sobre religião e paz
BR

1 maio 2019

Assessor especial do secretário-geral para a Prevenção do Genocídio alertou sobre “ultranacionalismo internacional"; Genebra acolheu reunião para reforçar combate ao discurso de ódio e proteger minorias religiosas.

As Nações Unidas realizaram até esta quinta-feira a Cúpula Mundial sobre Religião, Paz e Segurança em Genebra.

A reunião de três dias tinha como uma das metas definir diretrizes internacionais para combater o discurso de ódio e proteger minorias religiosas, incluindo refugiados e migrantes.

O secretário-geral diz estar “profundamente preocupado” e que se aproxima “um momento crucial” na luta contra o ódio e o extremismo. Foto: ONU/Evan Schneider

Mundo

Falando a jornalistas após o evento, o assessor especial do secretário-geral para a Prevenção do Genocídio, Adama Adieng, convidou a todos a refletir sobre o que está acontecendo no mundo.

O representante mencionou ainda os recentes ataques a uma sinagoga nos Estados Unidos, o incêndio a uma igreja em Burquina Faso, as agressões a mesquitas em Nova Zelândia e a igrejas no Sri Lanka.

Na Europa, Adieng disse que todos os dias se assiste a vítimas de humilhação e desumanização de migrantes e refugiados e líderes políticos “usando esta população como bodes expiatórios”, culpando-a de vários atos e responsabilizando-a “pela falência de suas economias”.

Ultranacionalismo

Adama Dieng indicou que o atual cenário internacional está gerando o que ele descreve como "ultranacionalismo internacional" por parte de líderes de direita.

O conselheiro pediu que não seja permitido que seres humanos sigam esse rumo que marca “o ressurgir de sinais dos anos 1930”. Como exemplos disso, ele destacou o aumento do antissemitismo, do ódio anti-muçulmano, da perseguição de cristãos e de ataques que incluem a xenofobia, a discriminação e a provocação.”

Adieng disse que é hora de se levantar, falar e garantir que ninguém seja discriminado por causa de sua raça, nacionalidade, religião ou de qualquer outra forma.

O encontro organizado pela Associação Internacional para a Defesa da Liberdade Religiosa promoveu a construção de pontes, a inclusão e desencorajar a incitação ao ódio para melhorar a proteção de minorias religiosas, refugiados e migrantes.

Adieng pediu ainda que haja mobilização contra fenômenos emergentes como ataques ao multilateralismo, retirada das nações poderosas de alguns tratados internacionais e falta de adesão a esforços globais como as alterações climáticas.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU condena intolerância e violência após ataques em Burquina Faso e na Califórnia

Secretário-geral disse estar preocupado com “onda perturbadora” destes incidentes; fim de semana foi marcado por ataque a sinagoga na Califórnia e igreja; Guterres sublinha importância de lutar contra o ódio e o extremismo.

Chefe do Acnur diz que ataque no Sri Lanka “não pode dividir” as pessoas

Número de vítimas de atentados subiu para 359 mortes e mais de 500 feridos; alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados lembrou como o país ofereceu proteção a pessoas deslocadas no passado.