Banco Mundial analisa impactos sociais das inundações e alagamentos em comunidades de Porto Alegre
BR

24 abril 2019

Estudo realizado com a Prefeitura da capital gaúcha revela como o desastre de 2015 e demais eventos extremos prejudicaram os mais pobres; grupo de ação nasceu a partir desse trabalho.

O Banco Mundial lançou nesta quarta-feira, em Porto Alegre, um relatório que aponta os impactos sociais provocados por inundações e alagamentos como os ocorridos na cidade em outubro de 2015.

O desastre em questão foi o segundo pior do tipo na história da capital gaúcha, atrás apenas do registrado em 1941. O resultado foram 9.500 pessoas afetadas, sobretudo as mais pobres e vulneráveis, e um dano material calculado em R$ 73 milhões, cerca de US$ 18 milhões.

Desastre ocorrido em 2015 foi o segundo pior da história de Porto Alegre. Foto: Prefeitura Municipal de Porto Alegre / Maia Rubim

Vulnerabilidade

O estudo foi realizado em parceria com a Prefeitura de Porto Alegre e líderes comunitários. Para isso, foi realizado um levantamento em 1,5 mil domicílios de seis bairros integrantes das regiões do Orçamento Participativo de Humaitá-Navegantes e das Ilhas.

Todos se caracterizam por terem alta vulnerabilidade socioeconômica e serem suscetíveis aos desastres causados pelo excesso de água. Também foram organizadas rodas de conversa para sensibilizar a população.

Entre as pessoas ouvidas pela pesquisa, 57% tiveram as residências afetadas pelas águas. Além disso, 47% declararam que pelo menos um morador da casa perdeu dias de trabalho. Em 44% dos domicílios levantados, alguém da família sofreu um problema de acesso às aulas ou à creche.

Dificuldades

A catadora de materiais recicláveis Núbia Vargas passou por todas essas dificuldades. Mesmo com a casa inundada, ela preferiu ficar, por medo de furtos.

“Eu acabei ficando ali mesmo, botei as coisas para cima e esperei a água sair. É o que todas fazem. Se você sai da casa é ruim, né, podem pegar, podem entrar. Mas aí no outro dia você não tem como vir trabalhar, você não tem como levar as crianças para o colégio, porque o colégio também para. Ele enche d'água. Se suspende tudo, é bem complicado.”

Além disso, o desastre afetou o acesso a itens básicos e serviços públicos, bem como a vida familiar dos moradores. Por ter uma casa alta, a aposentada Leoni Gonçalves conseguiu se proteger e ainda abrigou parentes e conhecidos. Mas não escapou de outros problemas.  

“Não tinha pão, para começo de conversa. Não tinha luz, não tinha água nem telefone. Essa era a nossa dificuldade. Os amigos é que botavam carga no telefone da gente. E as coisas nas vendas não estavam tendo mais. Então, quem socorria era a Defesa Civil, as coisas que traziam para ali.”

Prefeitura Municipal de Porto Alegre
Inundações e alagamentos de 2015 em Porto Alegre afetaram 9500 pessoas

Gestão de Riscos

O estudo traz diversas recomendações para amenizar os impactos sociais de inundações e alagamentos. Entre elas, criar um plano municipal de gestão de riscos de desastres e aperfeiçoar o sistema de previsão, monitoramento e alerta.

A pesquisa aconselha ainda a implementar um plano integrado de gestão de resíduos sólidos, com participação da comunidade.

O trabalho em Porto Alegre deu origem ao Grupo de Ação sobre Inundações e Alagamentos, Gaia, que une a Prefeitura e os moradores das áreas examinadas.

O Gaia pretende continuar as discussões iniciadas no âmbito do estudo e buscar formas de tornar a cidade mais resiliente aos desastres. Para isso, tomará proveito do processo do Orçamento Participativo, que desde a década de 1980 vem sendo usado pela administração municipal e pelas comunidades em Porto Alegre.

*Apresentação: Mariana Ceratti, do Banco Mundial

 

 

 

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Banco Mundial: “crescimento do rendimento não chega para garantir prosperidade compartilhada”

Instituição destaca que mais de 700 milhões de pessoas ainda vivem em extrema pobreza no mundo; Reuniões de Primavera destacaram momento marcado por concentração da pobreza global na África e necessidade de cooperação internacional.

Banco Mundial: fragilidade econômica afeta indicadores sociais na América Latina e Caribe

Segundo novo estudo, neste ano, expectativa de crescimento lento para região deverá continuar influenciando as taxas de pobreza e desemprego;