Educação em comunidades indígenas do Brasil é baseada no idioma nativo
BR

21 fevereiro 2019

Dia Internacional da Língua Materna é comemorado em 21 de fevereiro; acadêmica brasileira destaca legislação específica de ensino para povos indígenas; cineasta mexicano Alfonso Cuáron explica uso de língua do povo Oaxaca, no filme “Roma”.

Neste 21 de fevereiro é comemorado o Dia Internacional da Língua Materna. A data promove a diversidade linguística e cultural e o multilinguismo. “As línguas indígenas como fator de desenvolvimento, paz e reconciliação” é o tema de 2019, que é também o Ano Internacional das Línguas Indígenas.

No Brasil existe uma educação multilíngue baseada na língua materna, principalmente no início da escolaridade. O país, que possui cerca de 300 etnias indígenas, precisou criar uma lei específica para isso.

Línguas indígenas

Nina Ranieri, coordenadora da Cátedra Unesco de Direito à Educação da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, USP., by ONU News

Em entrevista para a ONU News, a coordenadora da Cátedra Unesco de Direito à Educação, Nina Ranieri, explica que em 1988 o país estabeleceu que a educação para as comunidades indígenas é bilingue, português e a língua nativa.

“Até então não havia na legislação uma preocupação com a preservação da cultura em relação ao passado e em relação ao futuro. Não basta apenas conservar o que houve, mas preservar para as futuras gerações essa possibilidade de conservar as línguas. Mas além disso, a cultura, a religião, a medicina tradicional também são preservadas através dessa educação.”

Segundo a advogada e professora, existem mais de 3 mil escolas bilíngues no Brasil. Além disso, especialmente nas universidades federais, existem cursos especiais para formar esses professores indígenas

“É um movimento que começou em 1988 e já há várias turmas de professores indígenas formados no ensino superior, e com a sua gramática própria para o ensino da língua, e assim por diante.”

Cinema

O filme Roma, do diretor mexicano Alfonso Cuarón, indicado a dez categorias no Oscar 2019, chamou atenção pelos diálogos em mixteca, uma língua indígena falada por mais de 300 mil pessoas no México.

Em entrevista à ONU News, o premiado cineasta revela que achava fundamental expressar as diferenças sociais e de classe que se acentuam com os povos indígenas.

Segundo ele, a ideia era explorar a existências dessas culturas que estão vivas, mas que é inevitável abordar esse tema sem explorar o contexto social.

O cineasta explica que muitas vezes a erradicação das línguas acontece com a pressão social que os indígenas recebem de geração em geração, o que acaba "não querendo que as crianças falem suas línguas nativas por medo de não se integrarem".

Alfonso Cuarón e Yalitza Aparicio filmando uma cena do filme Roma, by Netflix

Diversidade Linguística  

Pelo menos 43% das cerca de 6.000 línguas faladas no mundo estão ameaçadas. Com a globalizacao, apenas algumas centenas de línguas fazem parte dos sistemas educacionais e do domínio público. Menos de 100 são usadas no mundo digital.

Segundo a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura, Unesco, a cada duas semanas uma língua desaparece levando toda uma herança cultural e intelectual. Em todo o mundo, 40% da população não tem acesso a uma educação numa língua que fala ou compreende.

Importância  

Quando as línguas desaparecem, também se perdem oportunidades, tradições, memória, modos únicos de pensar e expressar que são valiosos para garantir um futuro melhor.

As línguas, com suas implicações complexas para identidade, comunicação, integração social, educação e desenvolvimento, são de importância estratégica para as pessoas e o planeta.

Os movimentos para promover a disseminação das línguas maternas servem não só para incentivar a diversidade linguística e a educação multilingue, mas também para desenvolver uma maior consciência das tradições linguísticas e culturais em todo o mundo.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Cátedra Unesco de Direito à Educação do Brasil é única no mundo

Advogada e professora Nina Ranieri explica o papel da Cátedra Unesco de Direito à Educação que coordena na Universidade de São Paulo, USP; fala dos desafios do Brasil em relação ao tema e a legislação adotada para comunidades indígenas do país.

Na ONU, brasileira Joênia Wapichana recebe o Prêmio de Direitos Humanos 2018

Primeira advogada indígena do Brasil foi premiada ao lado da ativista dos direitos das meninas na Tanzânia Rebecca Guymi, da advogada de direitos humanos no Paquistão Asma Jahangit e da fundação Front Line Defenders da Irlanda.