Passar para o conteúdo principal

Chefe da ONU revela profunda tristeza após colapso de barragem no Brasil

Indígenas Pataxó Hã-hã-hãe vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do rio Paraopeba que foi afetado pelo colapso da barragem em Brumadinho, no Brasil.
Lucas Hallel ASCOM/FUNAI
Indígenas Pataxó Hã-hã-hãe vivem na aldeia Naõ Xohã, às margens do rio Paraopeba que foi afetado pelo colapso da barragem em Brumadinho, no Brasil.

Chefe da ONU revela profunda tristeza após colapso de barragem no Brasil

Assuntos da ONU

Pelo menos 60 mortos foram confirmados na sequência do incidente da barragem em Brumadinho, em Minas Gerais; secretário-geral garante que a ONU está pronta para apoiar autoridades brasileiras nos esforços de busca e ajuda de emergência.

O secretário-geral da Nações Unidas disse que está “profundamente triste pela terrível perda de vidas e danos significativos às casas de pessoas e ao meio ambiente”, que foram causados pelo colapso de uma barragem em Brumadinho, no estado brasileiro  de Minas Gerais.

Em nota, emitida pelo seu porta-voz, António Guterres envia condolências às famílias das vítimas e ao Governo do Brasil. O chefe da ONU desejou uma rápida recuperação aos feridos.

 

Lama

Agências de notícias indicam que dezenas de pessoas morreram após o rompimento na barragem situada na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Decorre a busca de mais de 200 desaparecidos, no mar de lama que destruiu casas da região do Córrego do Feijão no sábado. Guterres termina a nota declarando que o sistema das Nações Unidas está pronto para apoiar as autoridades brasileiras nos seus esforços de busca e ajuda de emergência.

Ouça aqui a entrevista com o relator especial sobre o direito à água e ao saneamento básico, Léo Heller, que explica os riscos do desastre para a população: