Chefe da ONU revela profunda tristeza após colapso de barragem no Brasil

28 janeiro 2019

Pelo menos 60 mortos foram confirmados na sequência do incidente da barragem em Brumadinho, em Minas Gerais; secretário-geral garante que a ONU está pronta para apoiar autoridades brasileiras nos esforços de busca e ajuda de emergência.

O secretário-geral da Nações Unidas disse que está “profundamente triste pela terrível perda de vidas e danos significativos às casas de pessoas e ao meio ambiente”, que foram causados pelo colapso de uma barragem em Brumadinho, no estado brasileiro  de Minas Gerais.

Em nota, emitida pelo seu porta-voz, António Guterres envia condolências às famílias das vítimas e ao Governo do Brasil. O chefe da ONU desejou uma rápida recuperação aos feridos.

 

Lama

Agências de notícias indicam que dezenas de pessoas morreram após o rompimento na barragem situada na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Decorre a busca de mais de 200 desaparecidos, no mar de lama que destruiu casas da região do Córrego do Feijão no sábado. Guterres termina a nota declarando que o sistema das Nações Unidas está pronto para apoiar as autoridades brasileiras nos seus esforços de busca e ajuda de emergência.

Ouça aqui a entrevista com o relator especial sobre o direito à água e ao saneamento básico, Léo Heller, que explica os riscos do desastre para a população:

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

De Minas Gerais, relator especial da ONU destaca riscos na tragédia de Brumadinho

Em entrevista à ONU News, o relator especial sobre o direito à água e ao saneamento básico, Léo Heller, explica os principais riscos para a natureza e para a população depois do rompimento da barragem em Brumadinho, no estado de Minas Gerais; especialista diz que rios Paraopeba e São Francisco devem ser afetados. 

Leis ambientais aumentam em todo o mundo, mas fiscalização é fraca

ONU aponta pelo menos 88 países que incluíram o direito a um ambiente saudável na Constituição; estudo confirma morte de 908 pessoas como exemplo de resistência ao tipo de leis; vítimas incluem guardas florestais, inspetores do governo e ativistas.