ONU apela ao reforço de financiamento de ajuda humanitária na Líbia

14 dezembro 2018

Secretária-geral assistente para os Assuntos Humanitários terminou esta quinta-feira uma visita ao país; ONU estima que 823 mil necessitam de ajuda humanitária no país onde são precisos US$ 200 milhões. 

A secretária-geral assistente da ONU para os Assuntos Humanitários, Ursula Mueller, apelou à comunidade internacional que reforce o financiamento para assistência humanitária na Líbia.  

A representante terminou esta quinta-feira a visita ao país que vive um conflito iniciado em 2011. Em declarações feitas a partir de Trípoli, Mueller explicou à ONU News a atual situação e o objetivo da sua missão na Líbia.

Necessidades

Ursula Mueller explicou que sete anos depois do inicio do conflito, a Líbia enfrenta uma complexa crise humanitária, de desenvolvimento e de proteção.Foto ONU/ Eskinder Debebe

Mueller explicou que sete anos depois do inicio do conflito, a Líbia enfrenta uma complexa crise humanitária, de desenvolvimento e de proteção.

O objetivo da visita foi reiterar o compromisso da ONU com o povo líbio e avaliar, em primeira mão, as necessidades humanitárias e as oportunidades de trabalho entre agências e atores de desenvolvimento para apoiar a fase de transição.

A representante relata o que viu num campo de deslocados onde milhares de pessoas vivem em condições degradantes. Segundo ela, a maioria não pode regressar às suas cidades porque as casas continuam destruídas e ainda há muitas minas terrestres.

Carências

A representante reconhece o aspeto positivo das crianças terem acesso à escola, mas diz que há uma grave falta de recursos, sobretudo na área da saúde.

As autoridades não conseguem dar resposta às necessidades, por isso, são cada vez mais os que necessitam de ajuda. Mueller explicou que as Nações Unidas coordenaram um plano de resposta humanitária para 2019 envolvendo 823 mil pessoas que necessitam de ajuda e proteção. Metade é formada por líbios e a outra metade são requerentes de asilo, migrantes e refugiados.

Para a representante, estes dados mostram o espetro do desafio que o governo líbio e as autoridades não conseguem responder. A situação é agravada pela escassez de recursos e a governação fraca.

A secretária-geral assistente estima que sejam necessários US$ 200 para conseguir dar resposta às necessidades básicas. Segundo ela, no ano passado foi financiado apenas um quarto do que era necessário.

Inscreva-se aqui para receber notícias da ONU News por email

 

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Acnur chama condições de refugiados na Líbia de “pesadelo”  

Agência destaca pessoas presas e debilitadas por tempo indeterminado em condições miseráveis; decorrem contactos com o governo para abertura de centro recolha e embarque de migrantes e candidatos a asilo pronto desde julho passado.

Líbia está presa “num ciclo fútil e destrutivo”, diz enviado da ONU

Falando ao Conselho de Segurança, representante do secretário-geral disse que acordo de paz negociado pela Missão das Nações Unidas começou a ser implementado em Trípoli; no resto do país, 120 pessoas morreram em confrontos em outubro.