Conselho de Segurança põe fim as sanções impostas à Eritreia
BR

14 novembro 2018

Medidas adotadas há nove anos incluem embargos de armas, proibições de viagens, congelamento de bens e sanções direcionadas; resolução aprovada pelos 15 Estados-membros apoia esforços para resolver divergências na região.

O Conselho de Segurança levantou esta quarta-feira as sanções impostas à Eritreia em 2009, relacionadas a embargos de armas, proibições de viagens, congelamento de bens e sanções direcionadas.

A decisão adotada por unanimidade  põe fim às proibições que foram renovadas em 2011, 2012 e 2013. O mesmo documento mantém as sanções que foram decretadas à Somália há 26 anos.

Peritos

Carros destruídos na Somália, depois de um ataque da Al-Qaeda. , by ONU/Stuart Price

A adoção acontence na sequência de eventos ocorridos desde que o primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed e o presidente da Eritreia, Isaias Afwerki, assinaram um acordo de paz na capital eritreia Asmara, em julho. O acordo acabou com o conflito de 20 anos.

Como parte da nova resolução, o Grupo de Monitoramento da Somália e da Eritreia chega ao fim e, em seu lugar, foi criado o Painel de Peritos da Somália.

A resolução do Conselho reafirma a intenção dos 15 Estados-membros de apoiar os esforços dos dois países para resolverem as suas divergências.

Em três meses, o secretário-geral deve apresentar um relatório ao órgão sobre a situação da Eritreia, além de fazer atualizações a cada semestre sobre o processo para normalizar a situação do país africano.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Conselho de Segurança preocupado com possível expansão do ebola da RD Congo para a região

Estados-membros aprovaram por unanimidade resolução sobre epidemia no país africano; documento revela apreensão com Uganda, Ruanda, Sudão do Sul e Burundi; último surto já provocou 247 infetados e 159 mortos em território congolês. 

Violência não impedirá que povo da Somália busque a paz, diz chefe da ONU

Declaração foi feita pelo secretário-geral após dois ataques suicidas em Baidoa, na região sudoeste da Somália; António Guterres reiterou apoio e solidariedade da organização com povo e governo do país.