Diretora do Unfpa fala dos desafios na saúde materna e infantil nos países lusófonos

9 novembro 2018

Mónica Ferro explica como Portugal se tornou no sexto país do mundo mais seguro para dar à luz; alguns países lusófonos registam taxas de mortalidade infantil e materna elevadas.

A diretora do Escritório do Fundo das Nações Unidas para a População, Unfpa, em Genebra, considera que a qualidade da saúde materna em Portugal é “inspiradora”.

Em entrevista à ONU News, em Nova Iorque, Mónica Ferro explicou o papel da agência e do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, na melhoria das condições de saúde para mães e filhos naquele país europeu.

Apoio

Unfpa atua em todos os países do bloco lusófono para garantir que mais mulheres e meninas têm acesso à saúde sexual e reprodutiva , by Unicef Mozambique/2018/Mário Le

“Foi com a ajuda destas duas organizações internacionais que deram apoio técnico, que treinaram parteiras, que reformaram hospitais, que deram acesso a métodos de planeamento familiar, que o país é o sexto do mundo onde é mais seguro estar grávida dar à luz. Portanto, é uma história de inspiração.”   

Em Portugal, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística do país, o número de mortes devido a gravidez ou após o parto caiu de 115 para 7 por cada 100 mil nascimentos entre 1960 e 2016,.

Evolução 

O Unfpa atua em todos os países  lusófonos para garantir que mais mulheres e meninas têm acesso à saúde sexual e reprodutiva mas a diretora do Unfpa lembra que há muito a fazer.

“Nos outros países o panorama é bastante distinto, ou seja, embora haja em todos eles um caminho no sentido de garantir ao acesso à saúde sexual e reprodutiva, e essa é de facto a grande função do Fundo das Nações Unidas para a População, a verdade é que que os desempenhos são bastante distintos. As taxas de mortalidade materna ainda são relativamente altas, em alguns países são bastante altas, e a taxa de mortalidade infantil também.”

De acordo com o relatório “O Estado da População Mundial”, recentemente publicado pelo Unfpa, entre os lusófonos, em 2015, a taxa de mortalidade materna mais elevada registou-se na Guiné-Bissau com 549 mortes por cada 100 mil nascimentos. Moçambique e Angola seguem-se com 489 e 477 óbitos por cada 100 mil nascimentos, respetivamente.

Filhos

O relatório dá ainda conta de que são poucos os que têm os filhos que desejam. Por um lado, no mundo desenvolvido, os constrangimentos económicos explicam em parte a redução do número de filhos.

Já no mundo em desenvolvimento a realidade é oposta. Mónica Ferro menciona algumas das razões para que a maioria tenha mais filhos do que aqueles gostaria.

“Verificamos que há um número crescente de mulheres que têm acesso ao planeamento familiar, mas verificamos também que no mundo em desenvolvimento há 214 milhões de mulheres que querem ter acesso e que não têm poder de escolha, ou seja, que não têm ou acesso aos meios, à informação, ou o poder para tomar essa decisão.”

Para o Unfpa a prioridade deve passar por garantir o acesso todos à saúde sexual e reprodutiva para que possam decidir de forma informada e consciente o número de filhos que desejam ter.

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Especial: Outubro Rosa, o mês da campanha de prevenção do câncer de mama

Tipo de câncer é o segundo mais comum no mundo, com mais de 2 milhões de casos em 2018; mais de 600 mil pessoas morreram com este tipo de câncer no mundo este ano.

Portugal: qualidade do emprego e salários continuam baixos, diz a OIT

Organização Internacional do Trabalho avalia economia e mercado de trabalho; estudo recomenda incentivos a contratos laborais permanentes; reestruturação dos setores público e privado entre as medidas que mais contribuíram para retoma.