Uganda preparado para vacinar milhares contra vírus de ébola

20 setembro 2018

Produto demonstrou eficácia contra a estirpe Zaire, a mais mortal; profissionais de saúde serão os primeiros a ser vacinados.

Profissionais de saúde da linha de frente e populações de alto risco do Uganda serão vacinadas contra o ébola numa iniciativa do governo apoiada pela Organização Mundial da Saúde, OMS.

Esta quinta-feira, a agência anunciou que a medida faz parte da estratégia conhecida como vacinação em anel e reforça a preparação para um eventual aparecimento da doença.

Estratégia 

A imunização envolve profissionais de saúde e pessoas que tiveram contactos com pacientes por serem os mais expostos  à infeção pelo vírus. Entre elas estão familiares, vizinhos e amigos de pessoas que contraíram o ébola.

Com a vacinação em anel, foi erradicada a varíola na década de 1970. A estratégia também ajudou a conter o surto de ébola na África Ocidental, sendo agora usada para controlar a doença no leste da República Democrática do Congo, RD Congo.

A ministra da Saúde do Uganda, Jane Aceng, lembrou que a doença é altamente contagiosa e mortal, destacando em particular a estirpe Zaire como a mais virulenta.

Exposição

Para a representante, o lançamento da vacina ajuda a evitar a mortalidade dos profissionais de saúde devido à exposição à doença mortal. Por várias vezes, o pessoal desse ramo perde a vida durante os surtos.

O Uganda já identificou espaços para montar aparelhos de frio para armazenar a vacina no país. São congeladores, caixas de transporte e armazenamento, paletes e porta-vacinas que já foram instalados.

O plano prevê importar 3 mil doses da vacina VSV-Zebov a serem usadas em cerca de seis meses.

A OMS defende que o produto é altamente protetor e demonstrou eficácia contra a estirpe Zairem comum nas províncias congolesas de Kivu do Norte e Itúri.

Capacitação

Entre os desafios, estão manter a temperatura dos congeladores abaixo dos 80ºC, fornecimento de eletricidade, geradores de reserva, armazenamento limpo, espaçoso e bem ventilado para realizar sessões de capacitação.

O representante da OMS em Uganda, Yonas Tegegn Woldermariam,  disse que tanto a oportunidade de vacinação do pessoal de saúde que atua na linha de frente como a vacinação em anel ajudarão a conter um possível surto da doença.

A agência destaca que, por essa razão, decorrem esses preparativos caros, mas necessários.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud