Grupo armado deteve sete polícias da ONU na República Centro-Africana

19 outubro 2015

Minusca informou que grupo foi libertado depois da emboscada na noite de domingo; autores foram supostamente elementos da milícia anti-Balaka; informação foi dada pelo porta-voz do secretário-geral das Nações Unidas.

Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.

A Missão da ONU na República Centro-Africana, Minusca, relatou que sete elementos da Polícia das Nações Unidas foram emboscados e detidos ilegalmente supostamente por elementos da milícia anti-Balaka.

O incidente ocorreu na noite passada perto de Boali, na região de Ombella Mpoko situada a 100 quilómetros da capital centro-africana Bangui. Todos os polícias da ONU foram libertados na mesma noite.

Disparos

A informação foi a dada a jornalistas em Nova Iorque pelo porta-voz do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.

Stephane Dujarric afirmou que num outro incidente ocorrido no domingo, uma posição da Minusca em Damara, também em Ombella Mpoko, foi alvo de tiros disparados por três homens armados não identificados.

Os soldados de paz responderam ao ataque matando um elemento e apreendendo diversas armas. Dois atacantes conseguiram escapar.

Crimes de Guerra

A Missão condena de forma veemente ataques contra seus capacetes azuis e pede ação rápida para levar os autores de ambos os crimes à justiça.

Ainda segundo o porta-voz, a Minusca destaca que ataques que tem como alvo soldados de paz podem constituir crimes de guerra. O órgão lembrou a todos os envolvidos suas obrigações sob o direito humanitário internacional.

Situação Humanitária

Stephane Dujarric informou também que o subsecretário-geral da ONU para Assuntos Humanitários, Stephen O’Brien, vai viajar à República Centro-Africana a partir desta terça-feira, até 23 de outubro.

Ele fará um balanço da crise humanitária em curso, aprofundada pela violência recente.

Durante sua visita, o chefe do Escritório da ONU para Assuntos Humanitários, Ocha, espera visitar deslocados na capital Bangui e em Dekoa, na província de Kémo.

Desafios

Ele também deve se encontrar com a presidente Catherine Samba-Panza e outras autoridades e representantes da comunidade humanitária para discutir desafios na entrega de assistência.

Eles também vão debater formas de melhorar a resposta aos afetados pela crise.

Na sexta-feira, O’Brien deve ir aos Camarões onde vai se reunir com autoridades do governo e representantes da comunidade humanitária.

A agenda do encontro inclui ações para aumentar a consciencialização da situação humanitária e formas de melhorar o apoio aos afetados pelas crises na República Centro-Africana e na Nigéria.

Leia Mais:

Chefe humanitário deplora rapto de funcionários na República Centro-Africana | Rádio das Nações Unidas

PMA leva ajuda essencial a novos deslocados centro-africanos | Rádio das Nações Unidas

Minusca: situação na República Centro-Africana permanece "frágil" | Rádio das Nações Unidas

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud