Governo Sírio deteve 295 homens retirados de Homs BR

Governo Sírio deteve 295 homens retirados de Homs

Agências humanitárias da ONU conseguiram levar mais de mil civis da cidade velha para uma região mais segura; todos estão recebendo cuidados médicos e alimentos.

Edgard Júnior, da Rádio ONU em Nova York.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Acnur, alertou que o governo sírio deteve para interrogatório 295 homens retirados da cidade velha de Homs.

No total, as agências humanitárias da ONU conseguiram tirar, até o momento, mais de 1,1 mil civis da região. 

Retirada

Em Genebra, a porta-voz do Acnur, Mellissa Fleming, disse à Rádio ONU que a agência está tentando garantir a retirada de todas as pessoas que queiram deixar Homs.

Segundo Fleming, os trabalhadores humanitários estão fazendo o possível para salvar vidas sob circunstâncias altamente perigosas.

Entre os civis que conseguiram sair da cidade velha estão 308 crianças e jovens com menos de 18 anos, 252 mulheres e 124 idosos. A lista inclui também 465 homens entre 18 e 55 anos. 

Detidos

Pelo acordo firmado entre os dois lados do conflito, só poderiam ser retirados da região os civis menores de 15 anos e com mais de 55 anos. Os detidos pelo governo sírio estão sendo interrogados na presença de representantes do Acnur e do Unicef em uma escola de Homs.

Dos 336 homens detidos inicialmente, 41 foram liberados esta terça-feira.

O porta-voz do Escritório de Direitos Humanos da ONU, Rupert Colville, elogiou a extensão da trégua por mais três dias na região.

Ele afirmou que atacar os trabalhadores humanitários representa um crime de guerra. Colville demonstrou preocupação com os meninos e homens detidos pelo governo.

Crianças

A porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, Marixie Mercado, afirmou que as crianças retiradas de Homs já foram vacinadas contra vários tipos de doenças.

Segundo Mercado, não se sabe até o momento quantos menores ainda continuam na cidade velha.

A Organização Mundial da Saúde informou que enviou suprimentos médicos para as pessoas que estão na região. As agências humanitárias levaram remédios para tratar de doenças crônicas de, pelo menos, 2 mil pessoas por um período de três meses.

Ainda no carregamento, foram enviadas vacinas para pelo menos mil crianças.

Segundo a OMS, muitas pessoas estão sofrendo de doenças na pele por causa da falta de saneamento básico.