Conselho de Segurança pede cessar-fogo imediato BR

Conselho de Segurança pede cessar-fogo imediato

Resolução foi adotada por 14 votos a favor e uma abstenção dos Estados Unidos.

Mônica Villela Grayley, da Rádio ONU em Nova York.

O Conselho de Segurança da ONU adotou na noite desta quinta-feira em Nova York a Resolução 1440 pedindo o cessar-fogo imediato na Faixa de Gaza.

O documento recebeu 14 votos a favor e uma abstenção dos Estados Unidos.

Negociações

O conflito, que começou em 27 de dezembro, matou pelo menos 758 pessoas e deixou mais de 3,1 mil feridas.

Leia o boletim de Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

"A resolução pede um cessar-fogo imediato e durável que leve à retirada total das forças de Israel em Gaza. O documento condenou a violência contra civis e todos os atos de terrorismo na região.

O Conselho de Segurança apelou ao livre fornecimento de assistência humanitária em Gaza, pediu a prevenção do tráfico de armas e munições, a reabertura de passagens entre a Faixa de Gaza e Israel e a reconciliação palestina.

A Resolução 1440 também elogiou os esforços de mediação do Egito e da Liga Árabe.

Dois Estados

O documento termina com um apelo à retomada urgente das negociações de paz que levem à criação de dois Estados, um palestino e outro judaico, vivendo lado a lado em paz e segurança.

Após a votação, o Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, que deve embarcar para o Oriente Médio, na próxima terça-feira, disse que a comunidade internacional precisa apoiar o processo de paz na região."

Na quinta-feira, o norte de Israel foi atacado por foguetes Katiuscha. No mesmo dia, no cruzamento de Erez, em Gaza, dois motoristas de um comboio, contratado pela ONU, para entregar ajuda humanitária foram mortos num ataque com mísseis lançados de um tanque de guerra israelense.

Três Dias

A Agência da ONU Assistência aos Refugiados Palestinos, Unrwa, suspendeu a entrega de alimentos por causa do perigo na região.

A aprovação da Resolução 1440 pelo Conselho de Segurança da ONU ocorreu após três dias de intensas negociações diplomáticas entre os países-membros do conselho, Israel, os países árabes e intervenções do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon.