8 março 2019

Nas vésperas da Comissão sobre o Estatuto da Mulher, CSW, que terá lugar em Nova Iorque, a ONU News falou com a presidente Instituto Nacional para a Igualdade e Equidade de Género de Cabo Verde. Rosana Almeida explica as prioridades do país para promover a igualdade de género e combater a violência que afeta  mulher. 

Nesta conversa com a ONU News, a presidente Instituto Nacional para a Igualdade e Equidade de Género de Cabo Verde conta como o país tem feito "uma aposta forte na educação atingindo alunos, estudantes e crianças do pré-escolar no sentido de desconstruir estereótipos de género e trabalhar rumo a uma sociedade com menos violência.”

Rosana Almeida adianta que Cabo Verde vai apresentar a lei da paridade para a participação das mulheres na política, mas destaca que é necessário também "libertar as mulheres da carga de trabalho." 

Para isso, o país planeia construir creches para crianças e lares para idosos e deficientes, entre outras medidas, para que a mulher possa dedicar-se à sua vida profissional.

Na entrevista, a partir da Cidade da Praia, Rosana Almeida explica também a aposta no combate à violência do namoro, em novas formas de masculinidade e na formação de professores em matéria de igualdade de género.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Cidade da Praia aposta na resiliência para combater as alterações climáticas

Presidente da câmara participou em evento sobre sustentabilidade das cidades; capital cabo-verdiana enfrenta desafios como aumento da população; parceria da ONU com a autarquia promove  segurança alimentar com micro agricultura.

ONU prevê que cidades abriguem 70% da população mundial até 2050

Encontro de alto nível da Assembleia Geral observa papel dos grandes centros urbanos na Agenda Global; áreas incluem desenvolvimento sustentável, segurança alimentar, nutrição e mudança climática; atualmente 55% da população mundial vive em cidades.