COP27: Três maneiras de conter a crise climática e diminuir a fome

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, destaca que a crise climática está deixando cada vez mais pessoas à beira da fome.
© Unicef/Shehzad Noorani
O Programa Mundial de Alimentos, PMA, destaca que a crise climática está deixando cada vez mais pessoas à beira da fome.

COP27: Três maneiras de conter a crise climática e diminuir a fome

Clima e Meio Ambiente

Programa Mundial de Alimentos faz recomendações para os líderes mundiais que vão se reunir em Sharm el-Sheikh, Egito, em novembro; para agência, governos devem agir rapidamente para ajudar milhões de pessoas que enfrentam o aumento da fome.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, destaca que a crise climática está deixando cada vez mais pessoas à beira da fome. Na preparação de líderes mundiais para se reunir em Sharm el-Sheikh, no Egito, na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, COP27, a agência pede ações urgentes para apoiar aqueles que estão na linha de frente da emergência climática.

As ondas de calor, secas, inundações e tempestades estão aumentando em intensidade e frequência. Para a agência, essa realidade afeta a capacidade de alimentação das famílias. Em lugares como Iêmen, Somália e República Democrática do Congo, onde os impactos climáticos se cruzam com conflitos, a fome é uma ameaça sempre presente.

Por isso, o PMA traz três recomendações para os líderes que estarão nos debates da COP27:

De inundações no Paquistão, que afetam uma em cada sete pessoas no país, a secas consecutivas levando as pessoas à beira da fome no Chifre da África, eventos climáticos extremos estão acontecendo em todas as regiões do mundo.
© Acnur/Moise Amedje Peladai
De inundações no Paquistão, que afetam uma em cada sete pessoas no país, a secas consecutivas levando as pessoas à beira da fome no Chifre da África, eventos climáticos extremos estão acontecendo em todas as regiões do mundo.

1. Ampliar a adaptação climática e as soluções para evitar, minimizar e abordar perdas e danos

De inundações no Paquistão, que afetam uma em cada sete pessoas no país, a secas consecutivas levando as pessoas à beira da fome no Chifre da África, eventos climáticos extremos estão acontecendo em todas as regiões do mundo. Mesmo com essas dificuldades, as comunidades precisam de soluções para ter alimentos suficientes.

Para o PMA, os líderes globais devem investir em sistemas que prevejam riscos climáticos e forneçam proteção física e financeira aos mais vulneráveis.

Antes das recentes inundações no Nepal, por exemplo, o PMA lançou seu programa de ação antecipada, que usa sistemas de alerta antecipado para garantir ação antes que os desastres aconteçam, transferindo dinheiro para mais de 15 mil pessoas em três dos distritos mais atingidos.

Os fundos ajudaram as comunidades a se prepararem para as enchentes, se protegerem e evitarem perdas e danos comprando comida, reforçando casas ou movendo pessoas vulneráveis ​​para terrenos mais altos.

Uma família que perdeu sua casa para as inundações transporta o que resta de sua casa por canoa escavada no Extremo Norte de Camarões.
© Acnur/Moise Amedje Peladai
Uma família que perdeu sua casa para as inundações transporta o que resta de sua casa por canoa escavada no Extremo Norte de Camarões.

2. Investir em ação climática em comunidades em contextos frágeis

Aqueles que vivem na linha de frente das mudanças climáticas também são frequentemente afetados por conflitos, deslocamentos e desigualdades sociais. Essas comunidades precisam de mais apoio, mas recebem menos.

Para enfrentar a crise climática e garantir que todos tenham comida suficiente para comer, o PMA recomenda que seja priorizada a ação e o financiamento para áreas vulneráveis ​​e atingidas por conflitos, apoiando as comunidades a se adaptarem a um clima em mudança, ao mesmo tempo em que busca a paz.

O PMA avalia que a cadeia que produz, processa e transporta alimentos para nossas mesas não é equitativa nem sustentável.
© FAO/Sumy Sadurni
O PMA avalia que a cadeia que produz, processa e transporta alimentos para nossas mesas não é equitativa nem sustentável.

3. Transformar os sistemas alimentares

O PMA avalia que a cadeia que produz, processa e transporta alimentos para nossas mesas não é equitativa nem sustentável. Por um lado, eventos climáticos extremos causam destruição em todos os sistemas alimentares; por outro, os sistemas alimentares são os principais contribuintes para o aquecimento global. Agricultura, transporte e culinária contribuem com emissões nocivas significativas que estão elevando a temperatura do nosso planeta.

A falta de diversidade nos sistemas alimentares, a dependência de práticas poluidoras e a exposição a interrupções como conflitos ameaçam a segurança alimentar global. Um recorde de 345 milhões de pessoas em 82 países enfrenta atualmente fome aguda, acima dos 282 milhões no início do ano.

O PMA reconhece que os líderes mundiais têm um enorme desafio pela frente, mas acredita que com uma ação global coordenada, é possível enfrentar a crise climática.
© Unsplash/Juniper Photon
O PMA reconhece que os líderes mundiais têm um enorme desafio pela frente, mas acredita que com uma ação global coordenada, é possível enfrentar a crise climática.

O que o PMA está fazendo

Em 123 países e territórios, o PMA apoia comunidades que enfrentam alguns dos piores impactos de eventos climáticos extremos para aumentar sua resiliência em um clima em mudança.

A agência conta com os governos locais para antecipar os riscos climáticos antes que eles se transformem em desastres, restaurar ecossistemas e infraestruturas degradadas, proteger os mais vulneráveis ​​com redes de segurança financeira e dar às pessoas novas oportunidades de cultivar, cozinhar e abastecer suas casas por meio do acesso à energia limpa.

Em cinco países do Sahel da África Ocidental e Central – Burquina Faso, Chade, Mali, Mauritânia e Níger – o PMA implementa um programa integrado de resiliência que apoia a adaptação climática e protege os sistemas alimentares.

Na prática, isso significa reabilitar a terra, melhorar o acesso das pessoas a alimentos e dietas saudáveis, levar as crianças de volta à escola e desenvolver cadeias de valor para aumentar a renda e os empregos verdes.

Para agência da ONU, com mais ambição e vontade política, o mundo pode diversificar, descarbonizar e melhorar a resiliência dos sistemas alimentares para enfrentar simultaneamente a crise climática e a insegurança alimentar.

O PMA reconhece que os líderes mundiais têm um enorme desafio pela frente, mas acredita que com uma ação global coordenada, é possível enfrentar a crise climática.