Mateus Solano junta sua voz à iniciativa contra poluição plástica em delivery 
BR

14 abril 2021

Defensor da Campanha Mares Limpos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, gravou vídeo pedindo a aplicativos de entrega de alimentos e restaurantes que reduzam plástico descartável; nova pesquisa revela que 72% dos consumidores se incomodam com excesso de plástico. 

O ator Mateus Solano divulgou um vídeo para apoiar uma iniciativa cidadã de combate à poluição plástica.* 

A campanha #DeLivreDePlástico pede aos aplicativos de entrega e restaurantes que reduzam a quantidade de plástico descartável que acompanha os alimentos. A proposta estabelece metas específicas para a eliminação dos plásticos. 

Ação 

Solano, que é Defensor da Campanha Mares Limpos do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, desde 2018, afirma que chegou a hora de agir e diz que o momento é de união.   

Foto: ONU Meio Ambiente
Plástico vai parar nos lixões, aterros e no meio ambiente chegando aos oceanos onde polui e mata os animais marinhos

“Os aplicativos são grandes vetores fazendo a ponte entre os restaurantes e os consumidores. Segundo uma pesquisa do Ipec, 86% dos consumidores acredita que os aplicativos têm responsabilidade em promover entregas livres de plástico descartável sendo que parte dessas pessoas acha que essa responsabilidade é compartilhada com os bares e restaurantes. 

Por isso, queremos que eles se tornem parte da solução. Comprometendo-se com metas de redução e promovendo um diálogo setorial para que a gente possa receber as nossas refeições livres de plástico descartável.”   

Segundo uma pesquisa da Ipec, Inteligência em Pesquisa e Consultoria, 72% dos consumidores não querem mais receber entregas de alimentos que contenham plástico descartável. A consulta foi realizada na internet, no início de março.

Como maior produtor de plásticos na América Latina, estima-se que no Brasil sejam lançadas 325 mil toneladas de plástico no oceano, todos os anos.

E a pandemia só agravou a situação com o aumento do movimento de plásticos nas entregas, como explica, o defensor da Campanha Mares Limpos, Mateus Solano. 

Animais marinhos 

“A pandemia trouxe mudança de hábitos e um aumento drástico na demanda por entregas de refeições. Os aplicativos cresceram 187%, no último ano, e com isso o volume de plástico descartável, que no Brasil, raramente é reciclado. 

Esse plástico vai parar nos lixões, aterros e no meio ambiente chegando aos oceanos onde polui e mata os animais marinhos."

A poluição plástica também está gerando danos à economia. Pela pesquisa da Ipec, 15% dos consumidores entrevistados já deixaram de pedir comida por aplicativo por se incomodarem com o excesso de plástico. 

A pesquisa “Percepções sobre o plástico entre usuários de aplicativos de delivery” foi encomendada pelo Pnuma e pela Oceana.  

Sacolas e embalagens 

A Oceana é considerada a maior organização no Brasil destinada à conservação dos oceanos. 

Dia Mundial dos Oceanos da ONU/Renee Capozz
Estima-se que no Brasil sejam lançadas 325 mil toneladas de plástico no oceano todos os anos

Mais da metade dos entrevistados pela pesquisa, gostaria que as sacolas de plástico (59%) e os recipientes de isopor (52%) fossem substituídos por materiais alternativos e menos poluentes que o plástico.   

Mais de oito em cada 10 pessoas consultadas pela Ipec dizem que as empresas deveriam fornecer itens plásticos apenas quando solicitadas. E 88% reprovam qualquer uso de plástico em suas entregas. 

Internautas 

“Os dados da pesquisa mostram que o consumidor quer alternativas livres de plástico, mas para isso é necessário que as empresas as ofereçam seu serviço sem plástico sem custo adicional. É direito de cada cidadão optar por não poluir e ajudar a preservar o meio ambiente”, afirma a gerente da campanha pela redução da poluição por plásticos na Oceana, Lara Iwanicki.  

A consulta foi feita com mais de mil internautas brasileiros de 16 anos entre 6 e 14 de março de 2021. 

Para o coordenador da campanha Mares Limpos no Pnuma, Vitor Leal Pinheiro, “os aplicativos de entrega de refeição têm papel fundamental na transição para uma economia circular do plástico e na eliminação dos itens descartáveis desnecessários. Além de serem vetores da intensificação do delivery, sua capacidade de influência sobre a cadeia de valor coloca os aplicativos como importantes agentes dessa mudança.” 

  

Leia o depoimento de Mateus Solano na íntegra: 

“A pandemia trouxe mudança de hábitos e um aumento drástico na demanda por entregas de refeições. Os aplicativos cresceram 187%, no último ano, e com isso o volume de plástico descartável, que no Brasil, raramente é reciclado. 

Esse plástico vai parar nos lixões, aterros e no meio ambiente chegando aos oceanos onde polui e mata os animais marinhos. 

Os aplicativos são grandes vetores fazendo a ponte entre os restaurantes e os consumidores. 

Segundo uma pesquisa do Ipec, 86% dos consumidores acredita que os aplicativos têm responsabilidade em promover entregas livres de plástico descartável sendo que parte dessas pessoas acha que essa responsabilidade é compartilhada com os bares e restaurantes. 

Por isso, queremos que eles se tornem parte da solução. Comprometendo-se com metas de redução e promovendo um diálogo setorial para que a gente possa receber as nossas refeições livres de plástico descartável. 

Afinal, 72% dos consumidores gostariam de receber a delivery sem plástico descartável e 15% já deixou de fazer um pedido por conta do incômodo com o plástico. 

Precisamos nos unir para demandar uma mudança concreta. 

Por isso, pedimos aos aplicativos que se comprometam, publicamente, com as propostas da campanha #DeLivreDePlástico. "

  

*Reportagem em parceria com Pnuma, Brasil. 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Cinco coisas que você precisa saber sobre máscaras e poluição plástica 

A pandemia do novo coronavírus levou a um aumento no uso de máscaras descartáveis, luvas e outros itens de proteção, afetando potencialmente o combate à poluição marítima.