Banco Africano de Desenvolvimento pede vacinação global para África
BR

16 março 2021

A aquisição de vacinas tem implicações significativas para os países africanos; a baixa quantidade de doses que chega ao continente não é suficiente para a população e ameaça o crescimento econômico. 

O presidente do Banco Africano de Desenvolvimento, Akinwumi Adesina, pediu justiça na vacinação contra Covid-19 para a África. Adesina falou no lançamento do relatório Panorama Econômico Africano 2021 do Banco Mundial na sexta-feira e lamentou a baixa quantidade de doses que chega ao continente.

O chefe do banco africano afirmou que solidariedade global e justiça são necessárias na imunização.

Chefe do Banco Africano de Desenvolvimento diz que a África precisa desenvolver sua indústria farmacêutica e começar a fabricar medicamentos
Pnud Sierra Leone/Mohamed Kanu
Chefe do Banco Africano de Desenvolvimento diz que a África precisa desenvolver sua indústria farmacêutica e começar a fabricar medicamentos

Disparidades

Adesina sublinhou as disparidades gritantes entre as compras de vacinas por vários países “ricos” que adquiriram quantidade suficiente para inocular suas populações duas vezes, e os países africanos, que permanecem dependentes principalmente da iniciativa Covax da Organização Mundial da Saúde.

Em entrevista à TV americana CNN, ele contou que a África recebeu apenas 1% do que precisa e por isso é necessária a vacinação. Para Adesina, é preciso melhorar o acesso dos africanos à vacina rapidamente e a um preço acessível. 

Já o Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, que também participou do lançamento do relatório, defendeu a compra rápida de vacinas na África como uma questão de vida ou morte. Segundo ele, a prioridade do continente é salvar vidas e preservar empregos. Uma outra consequência do ritmo lento de aquisição de imunizantes e contenção da pandemia é o atraso no combate à pobreza extrema e o crescimento econômico negativo. 

Refugiados da República Centro Africana em centro de distribuíção de ajuda no norte da República Democrática do Congo
Acnur/Hélène Caux
Refugiados da República Centro Africana em centro de distribuíção de ajuda no norte da República Democrática do Congo

África em crescimento

Espera-se que a economia da África cresça 3,1% este ano, no entanto, 39 milhões de africanos devem ser lançados na pobreza extrema por causa da pandemia. 

O chefe do Banco Africano de Desenvolvimento diz que a África precisa desenvolver sua indústria farmacêutica e começar a fabricar medicamentos. Segundo ele, o Banco Africano de Desenvolvimento vai apoiar os países nessa tarefa.

Adesina acrescentou que é do interesse próprio das nações avançadas garantir que todos tenham acesso à vacina e a outros medicamentos relacionados. 

Ele chamou a atenção para as novas mutações e disse que o vírus Covid-19 não tem passaporte.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud