Especialistas dizem que é “extremamente improvável" que Covid-19 tenha origem em laboratório
BR

9 fevereiro 2021

Missão internacional chefiada pela Organização Mundial da Saúde terminou missão de 12 dias na China; especialistas acreditam que origem animal continua sendo a mais provável, mas ainda não sabem como o vírus passou para humanos. 

A equipe de especialistas internacionais chefiada pela Organização Mundial da Saúde, OMS, que investiga as origens da Covid-19 terminou esta terça-feira a sua missão à China. 

Falando a jornalistas em Wuhan, o chefe da missão, Peter Ben Embarek, descartou a teoria de que o vírus veio de um laboratório nesta cidade, onde os primeiros casos foram detectados.

Origens

Embarek afirmou que essa hipótese é "extremamente improvável”, mas mais trabalho é necessário para identificar a origem do vírus.

Chen Liang
Cidade de Wuhan, na China, onde começou a pandemia há pouco mais de um ano

Até esta terça-feira, a Covid-19 já infectou mais de 106 milhões de pessoas em todo o mundo. Mais de 2,3 milhões de pessoas perderam a vida. 

Durante a visita de 12 dias, os especialistas visitaram o Instituto de Virologia de Wuhan e o mercado de Huanan, que vende peixe, carne e animais selvagens vivos e esteve relacionado com alguns dos primeiros casos em humanos.

Segundo o especialista da OMS, “todo o trabalho que foi feito tentando identificar a origem do vírus continua apontando para uma reserva natural.”

Embarek disse que morcegos e pangolins são uma possibilidade, mas é improvável que a passagem para humanos tenha acontecido em Wuhan. Os especialistas ainda não sabem como a passagem para humanos aconteceu.

Segundo o especialista, “o caminho do vírus desde o animal, qualquer que seja a espécie, até ao mercado de Huanan pode ter sido muito longo, complicado e envolvendo movimentos através de fronteiras.”

Wang Zhihong
Profissionais de saúde atendem paciente com Covid-19 em Wuhan

Início 

Dados iniciais sugerem a existência de casos semanas antes de serem identificados em Wuhan em dezembro de 2019. Não existem, no entanto, dados que comprovem uma disseminação alargada antes dessa data.

A chefe do painel da Covid-19 na Comissão Nacional de Saúde da China e líder chinesa na equipe internacional, Liang Wannian, disse que os dados "indicam a possibilidade de circulação em regiões onde não foi detectada."

Antes do início da missão, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que “a evidência científica recolhida conduzirá a hipóteses, que serão a base para estudos adicionais de longo prazo." 

Segundo ele, este trabalho "é importante não apenas para a Covid-19, mas para o futuro da segurança da saúde global” no gerenciamento de doenças emergentes com potencial pandêmico.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Especialistas chegam à China esta semana para investigar origens da Covid-19 

Cientistas de 12 países atuarão com profissionais chineses na cidade de Wuhan, onde o vírus for detectado em dezembro de 2019; OMS está cooperando com laboratórios na Índia e na China para aprovar mais vacinas; nova variante foi notificada pelo Japão.