Iniciativa da OMS fecha acordo para 2 bilhões de vacinas contra Covid-19 
BR

8 janeiro 2021

Atualmente, 42 países estão imunizando incluindo 36 nações de alta renda e seis de renda média; chefe da agência afirmou que vacinação é importante para reduzir capacidade de mutações do vírus. 

A Covax, a iniciativa da Organização Mundial da Saúde, OMS, e parceiros para distribuição de vacinas contra a Covid-19, finalizou contratos para comprar 2 bilhões de doses da imunização.  

Falando a jornalistas em Genebra, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse que a agência e parceiros estão “prontos para lançar as vacinas assim que elas forem entregues.” 

Vacinas contra Covid-19 continuam sendo desenvolvidas e aprovadas, Universidade de Oxford/John Cairns

Desafio 

Atualmente, 42 países estão administrando vacinas, sendo 36 de alta renda e seis de renda média.  

Para Tedros, “este é um problema que se pode e deve resolver através da Covax e do Acelerador ACT.” 

No início da pandemia, os países ricos compraram a maior parte do suprimento de várias vacinas. Agora, países de rendas alta e média, que integram a Covax, estão fazendo o mesmo.  

O chefe da OMS diz que “isso potencialmente aumenta o preço para todos e significa que as pessoas de alto risco nos países mais pobres e marginalizados não recebem a vacina.” 

Perigos 

Segundo Tedros, “o nacionalismo de vacinas é autodestrutivo.” 

Ele disse que a imunização salva vidas, estabiliza sistemas de saúde e cria condições para uma recuperação econômica global que estimula a criação de empregos. 

Além disso, limita as oportunidades de mutação do vírus. O chefe da agência afirmou que as variantes já detectadas “mostram que o vírus está fazendo o possível para melhorar sua circulação na população humana.” 

Tedros fez dois apelos: aos países que compraram mais vacinas do que precisam, que doem as doses em excesso; aos fabricantes, que parem de fazer negócios diretamente com os países em detrimento da Covax. 

Logística 

Tedros contou que vacinar a população de um país “é uma tarefa gigantesca”.  Para ajudar os Estados-membros, a OMS fez uma parceria com o Fundo das Nações para a Infância, Unicef, e o Banco Mundial para realizar avaliações de prontidão e criar planos específicos para cada país. 

Nesse momento, as agências já concluíram esse processo em 100 países.  

Vigilância 

A vacina contra Covid-19 da Pfizer-BioNTech foi a primeira vacina autorizada para uso em alguns países, BioNTech

Para o diretor-geral, “este é um momento muito perigoso no curso da pandemia.” Ele não quer “ver as pessoas se tornarem complacentes quando as vacinas começarem a ser distribuídas.” 

Nos últimos dias, foram registrados alguns dos números mais altos de mortes. Segundo a OMS, isso ocorre porque, nas semanas anteriores, as pessoas desrespeitaram as diretrizes das autoridades de saúde.  

Tedros disse que sua principal recomendação, nesse momento, é que as pessoas vivendo em áreas com um grande número de casos “façam o possível para evitar se misturar com pessoas de outras famílias, especialmente dentro de casa.” 

Grupos 

Ele explicou que o vírus prospera quando as pessoas se reúnem em grupos, especialmente dentro, quando não há ventilação adequada e todos compartilham o mesmo ar. 

Para terminar, Tedros lembrou que 2021 é o Ano Internacional dos Trabalhadores de Saúde. Ele pediu que as pessoas mostrem seu “respeito e apreço protegendo uns aos outros e vacinando todos os profissionais de saúde, em todos os lugares, agora.” 

Até esta sexta-feira, tinham sido confirmados quase 87 milhões de casos em todo o mundo e cerca de 1,890 milhão de mortes.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OMS: Europa pode mostrar flexibilidade ao administrar duas doses da vacina contra Covid-19 

Eficácia da imunização da Pfizer & BioNTech com segunda dose aplicada mais de 21 dias após a primeira não foi testada; Organização Mundial da Saúde diz que países precisam tomar decisão que seja segura entre estoque disponível e necessidade de proteger o número máximo de pessoas.