Nações Unidas reafirmam compromisso para eliminar armas químicas   BR

Investigadores da Opaq apuram uso deste tipo de armamento
Opaq
Investigadores da Opaq apuram uso deste tipo de armamento

Nações Unidas reafirmam compromisso para eliminar armas químicas  

Paz e segurança

Mais de 100 mil pessoas morreram e 1 milhão foram vítimas desses armamentos durante a Primeira Guerra Mundial; nas últimas duas décadas, foram destruídos 97% dos estoques num esforço iniciado há mais de um século. 

Esta segunda-feira, 30 de novembro, a ONU marca o Dia em Memória das Vítimas de Armas Químicas. 

Uma cerimônia na sede da Organização para a Proibição de Armas Químicas, Opaq, em Haia, na Holanda inicia os eventos. Os participantes irão depositar coroas de flores num memorial do edifício e fazer um minuto de silêncio. 

História 

Sede da Opaq.
Sede da Opaq., by Opaq

Segundo a Opaq, o dia é “uma oportunidade de homenagear as vítimas e reafirmar o compromisso de eliminar a ameaça das armas químicas.” 

Os esforços para alcançar o desarmamento químico começaram há mais de um século. As armas foram usadas em grande escala durante a Primeira Guerra Mundial, resultando em mais de 100 mil mortes e um milhão de vítimas. 

Após a Segunda Guerra, com a chegadas das armas nucleares, vários países decidiram que o valor de ter armas químicas era limitado. Com a ameaça da sua disponibilidade e proliferação, muitos passaram a pedir sua proibição.  

Adotada em 1993, a Convenção de Armas Químicas entrou em vigor em 29 de abril de 1997. O documento determina “excluir completamente a possibilidade de uso de armas químicas para o bem de toda a humanidade.” 

Sucesso 

Com 193 países-membros, a Opaq é a organização responsável pela implementação da Convenção sobre Armas Químicas, 

A agência diz que, desde a entrada em vigor, a Convenção “é o tratado de desarmamento mais bem-sucedido, eliminando toda uma classe de armas de destruição em massa.” 

Mais de 97% de todos os estoques de armas químicas declarados pelos Estados-membros foram destruídos sob a verificação da Opaq. Devido a esses esforços, a organização recebeu o Prêmio Nobel da Paz em 2013.