Boina-azul no Sudão do Sul ganha Prêmio da ONU para Policial Mulher
BR

3 novembro 2020

Inspetora-chefe Doreen Malambo, da Zâmbia, é conselheira de gênero na Missão de paz da ONU no Sudão do Sul, Unmiss; ela tem mais de 24 anos de experiência em forças policiais; e atua na prevenção e redução da criminalidade protegendo mulheres, crianças e pessoas com deficiência.

A boina-azul Doreen Malambo, da Zâmbia, é a vencedora do Prêmio da ONU para Mulher Policial do Ano.

A anúncio ocorre às vésperas da Semana da Polícia, marcada pelas Nações Unidas a partir deste 2 de novembro.  Apenas 10% dos profissionais atuando nas forças policiais da ONU são mulheres.

Unmiss
Malambo trabalha na Missão da ONU no Sudão do Sul, Unmiss, com políticas proteção de meninas e mulheres, crianças e pessoas com deficiência.

Experiência

Malambo trabalha na Missão da ONU no Sudão do Sul, Unmiss, com políticas proteção de meninas e mulheres, crianças e pessoas com deficiência. Ela tem 24 anos de experiência como policial na Zâmbia, onde alcançou o posto de inspetora-chefe.

A policial chegou à Missão em 2019 atuando com a comunidade local para combater e prevenir a criminalidade.

Como boina-azul já trabalhou na Libéria investigando violência doméstica e sexual. Ao chegar ao Sudão do Sul, Malambo buscou obter o apoio dos homens nas comunidades para evitar a violência de gênero.

Com isso, fundou um grupo liderado por policiais homens para levar informação sobre os direitos de meninas e mulheres. Ela também ajudou outros militares a estabelecer redes femininas pelo país africano.

Unmiss
Malambo chegou à Missão em 2019 atuando com a comunidade local para combater e prevenir a criminalidade.

Mensagem forte

A inspetora-chefe afirma que se sente motivada de poder ajudar as mulheres a fazerem a diferença em sua participação na sociedade.

Ela receberá o Prêmio do chefe do Departamento de Operações de Paz, Jean-Pierre Lacroix, na terça-feira, 3 de novembro, numa cerimônia virtual. Em comunicado, Lacroix afirmou que Doreen Malambo incorpora o melhor que existe no policiamento da ONU através de suas ideias e ações. 

Momento crucial

Para ele, o trabalho da boina-azul representa uma mensagem forte de proteção e empoderamento de outros ainda mais crucial num momento de pandemia.

O Prêmio da ONU Mulher Policial da Ano foi criado em 2011. 

Este ano, a edição tem um significado especial por ser também o aniversário de 20 anos da histórica resolução 1325 do Conselho de Segurança sobre Mulheres, Paz e Segurança e os 60 anos do primeiro envio da Polícia da ONU à operação no Congo.

Atualmente, cerca de 11 mil policiais, 1,3 mil deles mulheres, estão atuando em 16 missões das Nações Unidas pelo mundo.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Primeira policial brasileira na República Centro-Africana é do estado do Pará

Boina-azul Darilene Monteiro conta que muitos centro-africanos perguntam a ela sobre futebol e a vida no Brasil; para a militar, presença da mulher em missões de paz ajuda na prevenção de conflitos e na promoção do diálogo com a população.*

Senegalesa que atua contra a exploração e abuso sexual ganha Prêmio de Polícia Feminina da ONU

Vencedora da edição de 2019 trabalha na Missão das Nações Unidas na RD Congo e lidera Rede de Mulheres Policiais da organização; prêmio foi entregue em Nova York durante 14ª Semana da Polícia das Nações Unidas.