Presidente do Banco Mundial, David Malpass, alívio da dívida tem sido mais fraco do que o esperado.

Dívida dos países mais pobres do mundo atingiu recorde de US$ 744 bilhões  BR

Banco Mundial/Simone D. McCourtie
Presidente do Banco Mundial, David Malpass, alívio da dívida tem sido mais fraco do que o esperado.

Dívida dos países mais pobres do mundo atingiu recorde de US$ 744 bilhões 

Desenvolvimento econômico

Banco Mundial pede colaboração entre economias ricas e pobres para evitar risco crescente de crises de dívida soberana após pandemia; estudo é lançado em paralelo às reuniões do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional. 

O Banco Mundial revelou que a dívida dos países mais pobres do mundo atingiu um recorde de US$ 744 bilhões em 2019, antes do início da pandemia do coronavírus. 

A instituição publicou esta segunda-feira a última edição do relatório Estatística da Dívida Internacional. De acordo com o estudo, a dívida das 73 nações mais pobres do mundo cresce 9,5% ano a ano. 

Lusófonos 

Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste estão entre os 73 países elegíveis para a Iniciativa para a Suspensão da Divida.   

Vice-chefe da ONU, Amina Mohammed realçou efeitos de crimes como faturamento comercial indevido
Banco Mundial lamenta falta de participação de credores do sector privado, by Foto ONU/Stuart Price.

Para o Banco Mundial, a situação mostra “uma necessidade urgente de credores e tomadores de empréstimos colaborarem para evitar o risco crescente de crises de dívida soberana desencadeadas pela pandemia da Covid-19.” 

O lançamento do estudo coincide com as reuniões do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional, FMI. 

A instituição lista que, desde março, as empresas e as fronteiras fechadas para impedir a disseminação da Covid-19 arrasaram economias em todo o mundo. Em abril, o grupo das 20 maiores economias do mundo, G20, endossou a suspensão da dívida para os países mais pobres. 

Participação 

Para o presidente do Banco Mundial, David Malpass, esse alívio tem sido mais fraco do que o esperado. Entre as razões está o facto de que “nem todos os credores participam totalmente” na iniciativa. Foram concedidos US$ 5 bilhões do total de US$ 8 a US$ 11 bilhões que estavam previstos. 

O peso da dívida dos países mais pobres com credores governamentais, a maioria deles integrantes do G20, atingiu US$ 178 bilhões no ano passado. 

A China é o maior credor, mas aumentou sua dívida com as economias do G20 para 63% no final do ano passado, dos 45% de 2013. 

Malpass lamentou o que chamou de falta de participação dos credores do sector privado, mas também advertiu que as economias mais ricas não estavam cumprindo sua parte de forma integral no processo. 

Impactos fiscais da crise estão limitando a capacidade de investir na recuperação
© MSC shipping
Impactos fiscais da crise estão limitando a capacidade de investir na recuperação