OMS diz que mundo pós-Covid-19 tem que ser mais verde e saudável
BR

27 maio 2020

Proposta é defendida por 40 milhões de profissionais de saúde em carta aos líderes do G-20, o grupo das 20 maiores economias do globo; chefe da OMS, Tedros Ghebreyesus, diz que recuperação tem de priorizar combate à mudança climática e à poluição do ar; agência lançou Fundação OMS, nesta quarta-feira.

A Organização Mundial da Saúde, OMS, afirmou que custo humano da pandemia de Covid-19 tem sido arrasador e que as medidas de confinamento social viraram a vida das pessoas de cabeça para baixo.

Mas segundo ele, o mundo tem uma oportunidade de se reerguer dessa crise global de saúde pública promovendo uma recuperação mais saudável e mais ecológica. 

Ruas silenciosas

Para isso, a OMS divulgou um manifesto com seis recomendações aos governos. Ghebreyesus fez a declaração durante um briefing a jornalistas em Genebra, sede da agência.

Ele lembrou que 40 milhões de profissionais de saúde enviaram uma carta aos líderes das 20 maiores economias do mundo, G-20, pedindo que o mundo pós-Covid-19 possa priorizar o combate à mudança climática e à poluição do ar.

Tedros afirma que a água pode ser mais cristalina, e que as ruas do mundo podem ser mais seguras e silenciosas ao se referir à poluição.

Ele contou que a pandemia também mostrou que os trabalhadores podem passar mais tempo com sua família e permanecerem produtivos.

Energia limpa

O manifesto da OMS inclui recomendações como a proteção da natureza como fonte de ar, água e alimentos; o acesso à água e ao saneamento básico para todos os lares, assim como à energia limpa; e a resiliência das casas à mudança climática. 

O documento também defende o investimento numa transição rápida para a energia renovável que acabe com a poluição do ar.  A OMS pede aos países que promovam sistemas de produção de alimentos saudáveis e sustentáveis que possibilitem o acesso de todos à comida.

Transporte

O manifesto também defende a integração da saúde em todos os aspectos do planejamento urbano desde um sistema de transporte sustentável a moradias saudáveis.

Por último, a recomendação sobre o fim do subsídio a combustíveis fósseis que causam poluição e a mudança climática.

O chefe da OMS disse que a grande pergunta a ser feita agora é se o mundo quer retornar ao status quo antes da pandemia ou se prefere aprender as lições sobre como os seres humanos se relacionam com o planeta.

Para Tedros Ghebreyesus não resta dúvida de que a reconstrução pós-Covid-19 deve ser uma reconstrução para um mundo mais verde.

Fundação OMS

Nesta quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde anunciou a criação da Fundação OMS.  O diretor-geral da agência disse que para cumprir seu mandato, a agência terá que ampliar a base de doadores e melhorar a quantidade do dinheiro recebido.

A proposta partiu de um funcionário da organização numa reunião semanal para criação de ideias com Tedros, em 2018.

Ele afirmou que o nascimento da fundação é um passo histórico que deve mobilizar recursos. A nova instituição recebe o apoio da Fundação ONU, da Fundação Suíça de Filantropia e de outros parceiros que também ajudaram com a criação do Fundo de Resposta Solidária à Covid-19. 

Lady Gaga

A iniciativa já arrecadou mais de US$ 214 milhões doados por mais de 400 mil indivíduos e companhias.
Somente o concerto “One World: Together at Home”, dirigido pela cantora americana Lady Gaga, gerou US$ 55 milhões.

A Fundação OMS terá como presidente do Conselho Diretor, um membro fundador: o professor Thomas Zeltner.

O médico e advogado suíço foi secretário de Saúde do país e diretor-geral da Autoridade Nacional de Saúde.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

OIT: desemprego causado por pandemia afeta mais de um em cada seis jovens

Relatório da Organização Internacional do Trabalho revela que muitos que continuam empregados tiveram carga horária reduzida em 23%; mulheres são as mais duramente afetadas.