Perspectiva Global Reportagens Humanas

OIT: desemprego causado por pandemia afeta mais de um em cada seis jovens BR

OIT defende estímulo da economia e do emprego, além de apoio às empresas.
Foto: Unicef/ Arcos
OIT defende estímulo da economia e do emprego, além de apoio às empresas.

OIT: desemprego causado por pandemia afeta mais de um em cada seis jovens

Saúde

Relatório da Organização Internacional do Trabalho revela que muitos que continuam empregados tiveram carga horária reduzida em 23%; mulheres são as mais duramente afetadas.

A crise de desemprego causada pela pandemia do novo coronavírus está afetando os jovens, especialmente mulheres.

Mais de um em cada seis trabalhadores nesta faixa etária perdeu o emprego por causa das consequências econômicas da Covid-19.

Choque triplo

No relatório “Monitor OIT: Covid-19 e o mundo do trabalho, 4ª. Edição, a agência da ONU mostra como a juventude está sendo desproporcionalmente atingida pela pandemia desde fevereiro. E os que permanecem empregados tiveram uma redução de até 23% na carga horária.

A OIT afirma que a pandemia está impondo um choque triplo aos jovens. Não apenas destruindo sua subsistência, mas também suas chances de educação e treinamento. A juventude ainda enfrenta grandes obstáculos para entrar no mercado de trabalho e para se movimentar para outros postos.

Mulheres estão sendo afetadas mais durante pela crise global gerada com a pandemia.
Mulheres estão sendo afetadas mais durante pela crise global gerada com a pandemia., by ONU/Evan Schneider

No ano passado, o desemprego jovem era de 13,6%, uma taxa mais alta que a de qualquer outra faixa etária. Naquela época, havia 267 milhões de jovens fora do mercado, da educação e de treinamento em todo o mundo. Jovens de 15 a 24 anos tendem a atuar em atividades de baixo salário, como trabalhadores migrantes ou no setor informal.

Décadas

O diretor-geral da OIT, Guy Ryder, lembra que as mulheres estão sendo afetadas mais durante pela crise global, gerada com a pandemia. Segundo ele, o legado do novo coronavírus pode durar décadas.

No relatório, a agência pede respostas urgentes e políticas de grande escala para apoiar a juventude com programas que possam garantir treinamentos e empregos em países desenvolvidos, e programas intensivos de empregos para países de baixa e média rendas.

O documento também examina medidas para um retorno seguro ao trabalho como testagem e rastreios para evitar uma segunda onda de contágio da doença.

Tecnologias

A OIT afirma que em países com forte esquema de testagem, a média de queda na carga horária é reduzida em até 50%. Nesses casos, a tecnologia de informação reduz medidas severas de confinamento, promove a confiança pública e encoraja o consumo apoiando o emprego.

A agência da ONU lembra que a testagem e o rastreio também vão criar novos postos de trabalhos temporários, o que pode acolher jovens e outros grupos prioritários.

O relatório pede medidas imediatas e urgentes para apoiar os trabalhadores e as empresas com base em quatro pilares da OIT: estímulo da economia e do emprego, apoio às empresas, postos e renda; proteção de trabalhadores no local de trabalho e dependência do diálogo social para encontrar soluções.

Quase metade da força de trabalho global sob risco com aumento de desemprego gerado por pandemia