Passar para o conteúdo principal

Pandemia está arrasando comunidades indígenas em todo o mundo, alerta especialista BR

A Opas ressalta que muitas práticas como o distanciamento social não são aceitáveis por certas comunidades como natural.
Pnud Peru/Mónica Suárez Galindo
A Opas ressalta que muitas práticas como o distanciamento social não são aceitáveis por certas comunidades como natural.

Pandemia está arrasando comunidades indígenas em todo o mundo, alerta especialista

Direitos humanos

Relator especial da ONU* sobre os Direitos dos Povos Indígenas fala em marginalização e militarização dos territórios e recursos em face a medidas para combater a doença.

Os efeitos da Covid-19 sobre povos indígenas em todo o mundo ultrapassam a área da saúde.

Medidas contra a pandemia estão afetando os territórios, recursos naturais e liberdades de expressão e reunião dos povos indígenas.

Asaph, como muitos indígenas da região de Rupununi, na Guiana, depende de animais selvagens e peixes para alimentação.
Asaph, como muitos indígenas da região de Rupununi, na Guiana, depende de animais selvagens e peixes para alimentação. Foto: ©FAO/David Mansell-Moullin

Estados de emergência 

A declaração é do relator especial sobre os Direitos dos Povos Indígenas, José Francisco Cali Tzay. 

Ele contou que tem recebido relatos diários sobre esses incidentes em todas as partes do mundo.

Muitos indígenas estão sendo marginalizados por estados de emergência, e em casos extremos pela militarização de seus territórios. 

Cali Tzay está preocupado com negação de liberdades de expressão e de reunião e com a invasão de interesses comerciais em aldeias que estão destruindo os recursos naturais dos indígenas.

Impacto ambiental 

As consultas às comunidades sobre impacto ambiental estão sendo suspensas para favorecer mega projetos de mineração, construção de barragens e agronegócios.

O relator lembrou que a perda da terra lança aldeias inteiras na pobreza e altos níveis de má nutrição. A falta de água e saneamento e serviços médico aumentam os riscos de doenças.

Cali Tzay notou que as comunidades que melhor respondem à pandemia são aquelas que obtiveram autonomia e gerem seus próprios recursos e territórios. 

 Dois homens da etnia Eñepa transportam vacinas para o ambulatório rural de San José de Kayamá, na Venezuela, em fevereiro de 2020.
© Unicef/Alejandra Pocaterra
Dois homens da etnia Eñepa transportam vacinas para o ambulatório rural de San José de Kayamá, na Venezuela, em fevereiro de 2020.

Línguas nativas

Ele disse ainda que os Estados têm de garantir que os indígenas recebam informações sobre a Covid-19 em suas línguas nativas assim como medidas de saúde apropriadas aos seus contextos e tradições.

O relator afirmou que a pandemia tem demonstrado que é preciso mudar e valorizar o coletivo em lugar do Individual e construir sociedades inclusivas, que respeitem e protejam a todos. 
 

*Os relatores especiais são independentes das Nações Unidas e não recebem salário para o trabalho prestado.