Mortes devido ao novo coronavírus ultrapassam 30 mil, segundo OMS
BR

30 março 2020

Diretor da agência alerta sobre riscos de uma resposta ineficaz com aumento da demanda por unidades e profissionais de saúde; pelo menos 638.146 casos da doença foram confirmados em 202 países e territórios. 

A pandemia da covid-19 afeta sistemas de saúde e isso ameaça sobrecarregar vários países. A crescente demanda por unidades e profissionais desse setor pode impedir uma operação eficaz, alertou a Organização Mundial da Saúde, OMS.

As declarações foram feitas pelo diretor-geral da agência, Tedros Ghebreyesus, na atualização desta segunda-feira, em Genebra. A agência informou que o mundo já tem 693.224 casos confirmados 33.106 mil mortes devido à doença em 202 países e territórios. 

Vacina

OMS defende que são essenciais ferramentas científicas e de saúde pública., by Unicef/Kiran Panday

O diretor-geral disse que surtos anteriores demonstraram que quando os sistemas de saúde são sobrecarregados, as mortes devido a doenças evitáveis e tratáveis por uma vacina aumentam de forma drástica.

Ele afirmou que, apesar de se estar diante de uma crise, os serviços essenciais de saúde devem continuar pois “bebês ainda estão nascendo, vacinas ainda precisam ser entregues, e pessoas carecem de tratamento essencial para outras doenças”.

Ghebreyesus apontou ações imediatas e direcionadas para reorganizar e manter o acesso a serviços de saúde essenciais de alta qualidade. Entre elas, estão atividades de rotina durante a gravidez e o parto, tratamento de doenças infecciosas e crônicas, além de condições de saúde mental e operações de serviços de sangue.

O apelo aos países é que trabalhem com empresas “para aumentar a produtividade em serviços de saúde, assegurar a livre circulação de produtos essenciais do setor e garantir uma distribuição equilibrada desses produtos, com base nas necessidades.” Nesse sentido, ele pediu  uma atenção particular para África, Ásia e América Latina.

Proteção

O chefe da  OMS disse ainda que a agência atua de forma intensa com vários parceiros para aumentar o acesso a produtos essenciais, incluindo diagnósticos, equipamentos de proteção individual, oxigênio médico, ventiladores e outros.

Ghebreyesus mencionou medidas implementadas pelos países para restringir a circulação de pessoas. Nesse sentido, ele considera essencial que se possa respeitar a dignidade e o bem-estar de todas as pessoas.

Para o representante, também é importante que os governos mantenham as populações informadas sobre a duração dessas medidas e forneçam apoio a idosos, refugiados e outros grupos vulneráveis.

O representante disse que os governos precisam garantir o bem-estar das pessoas que perderam sua renda e de forma urgente assegurar “comida, saneamento e outros serviços essenciais”. O apelo é que essa atuação seja feita com as comunidades para criar confiança, apoiar a resiliência e a saúde mental.

Mais apoio

Um dos tipos de máscaras recomendado a pessoas que tenham contraído o novo coronavirus., by Unsplash/Agência de Fotos do Macau

O Plano Estratégico de Preparação e Resposta, lançado pela agência há dois meses, já recebeu US$ 622  dos US$ 675 milhões necessários para apoiar os países. O chefe da OMS agradeceu os doadores pelas contribuições feitas até o momento.

Para ele, continuam sendo observados sinais de solidariedade global para  enfrentar e superar a ameaça comum. Como um exemplo de que “o mundo está se unindo”, Ghebreyesus mencionou o compromisso do grupo das maiores economias mundiais, G20, de trabalhar em conjunto para melhorar a produção e o suprimento de produtos essenciais.  

O diretor-geral da OMS considerou que no centro de uma tempestade como o covid-19, são essenciais ferramentas científicas, de saúde pública e atitudes como humildade e bondade.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Covid-19: ONU vê “danos econômicos sem precedentes” e pede US$ 2,5 trilhões para países em desenvolvimento 

Novo relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento detalha consequências da pandemia do novo coronavírus: agência da ONU propõe plano de ação em quatro frentes.

Coronavírus: “manter a calma e ficar em casa”, diz médico que atuou perto de Wuhan

O médico Xiang Lu é um dos milhares de chineses que combateram o surto da covid-19 na província de Hubei, onde surgiram os primeiros casos; conversa com ONU News aconteceu em 23 de março quando área deixava de ser foco da epidemia; profissional relata situação muito melhor quando retornava à casa.*