Pelo menos 810 pessoas morreram na América Latina em tentativa de migração
BR

28 janeiro 2020

Número é o maior dos últimos seis anos, segundo dados da Organização Internacional para Migrações, OIM; maioria das mortes ocorreu nas águas do Rio Bravo / Rio Grande entre México e Estados Unidos; nos últimos seis anos, um total de 2.403 migrantes perderam a vida a caminho de um novo país.

O ano de 2019 foi o mais mortal para migrantes na região das Américas. Os dados constam de um relatório do Projeto Migrantes Desaparecidos, compilado com o apoio das Nações Unidas.

Foram 810 vidas perdidas em travessias de rios, áreas remotas e cruzamentos pelo deserto, quando tentavam abandonar seus país à procura de outro.

Nos últimos seis anos, 2.403 migrantes morreram nas Américas tentando alcançar o sonho de começar uma nova vida em um outro país. Foto: © Rafael Rodríguez / OIM

Lembrete

O diretor do Centro de Análise de Dados da Organização Internacional para Migrações, OIM, afirmou que os números são um lembrete triste da falta de opções para movimentos seguros e legais de pessoas.

Frank Laczko disse que os caminhos mais perigosos e desconhecidos colocam os migrantes sob maior risco. Desde 2014, quando se iniciaram os registros das travessias de migrantes, mais de 3,8 mil pessoas perderam a vida nas Américas.

Os números foram compilados com base em dados oficiais e informação de organizações não-governamentais, ONGs, e relatos da mídia. Segundo a OIM, a perda de vidas jamais deveria ser tolerada ou encarada como “normal” e parte de um “risco calculado” com a migração irregular.

A região de fronteira mexicana-americana é uma das mais expostas quando o assunto é morte de migrantes. No ano passado, 497 pessoas morreram na área tentando entrar nos Estados Unidos.

© Rafael Rodríguez / OIM
Desde 2014, quando se iniciaram os registros das travessias de migrantes, mais de 3,8 mil pessoas perderam a vida nas Américas.

Texas e Arizona

A maioria das vidas se perdeu nas águas do Rio Bravo / Rio Grande, localizado entre o estado americano do Texas, e o estados mexicanos de Tamaulipas, Nuevo Léon e Coahuila onde 109 migrantes morreram em 2019. O número representa um aumento de 26% se comparado à quantidade de mortes em 2018.

Muitos migrantes que tentavam cruzar as áreas remotas dos desertos do Arizona morreram sem completar o trajeto. Foram 171 óbitos nessa área no ano passado contra 133 em 2018.

Para a lista completa de mortes de migrantes na fronteira dos Estados Unidos com o México visite a página do Projeto Migrantes Desaparecidos aqui  

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Número de menores cruzando selva para migrar à América do Norte sobe 600%

Região de Darién, entre Colômbia e Panamá, é considerada uma das selvas mais perigosas da América Latina; no passado, travessia era feita, na maioria dos casos, por homens à procura de oportunidades no México, Estados Unidos e Canadá; atualmente o trajeto é percorrido por crianças, adolescentes e grávidas.

Número de migrantes internacionais no mundo chega a 272 milhões

Novo relatório da OIM analisa dados relacionados a conflitos, crises econômicas, eventos climáticos e outros; número e proporção estimados de migrantes internacionais ultrapassaram algumas projeções feitas para 2050; mais de 6 em cada 10 migrantes são mulheres e crianças.