Pelo menos 810 pessoas morreram na América Latina em tentativa de migração BR

Caravana de migrantes da América Central passa por Chiapas, no México, a caminho dos Estados Unidos, em 2018
© Rafael Rodríguez / OIM
Caravana de migrantes da América Central passa por Chiapas, no México, a caminho dos Estados Unidos, em 2018

Pelo menos 810 pessoas morreram na América Latina em tentativa de migração

Migrantes e refugiados

Número é o maior dos últimos seis anos, segundo dados da Organização Internacional para Migrações, OIM; maioria das mortes ocorreu nas águas do Rio Bravo / Rio Grande entre México e Estados Unidos; nos últimos seis anos, um total de 2.403 migrantes perderam a vida a caminho de um novo país.

O ano de 2019 foi o mais mortal para migrantes na região das Américas. Os dados constam de um relatório do Projeto Migrantes Desaparecidos, compilado com o apoio das Nações Unidas.

Foram 810 vidas perdidas em travessias de rios, áreas remotas e cruzamentos pelo deserto, quando tentavam abandonar seus país à procura de outro.

Nos últimos seis anos, 2.403 migrantes morreram nas Américas tentando alcançar o sonho de começar uma nova vida em um outro país.
Nos últimos seis anos, 2.403 migrantes morreram nas Américas tentando alcançar o sonho de começar uma nova vida em um outro país. Foto: © Rafael Rodríguez / OIM

Lembrete

O diretor do Centro de Análise de Dados da Organização Internacional para Migrações, OIM, afirmou que os números são um lembrete triste da falta de opções para movimentos seguros e legais de pessoas.

Frank Laczko disse que os caminhos mais perigosos e desconhecidos colocam os migrantes sob maior risco. Desde 2014, quando se iniciaram os registros das travessias de migrantes, mais de 3,8 mil pessoas perderam a vida nas Américas.

Os números foram compilados com base em dados oficiais e informação de organizações não-governamentais, ONGs, e relatos da mídia. Segundo a OIM, a perda de vidas jamais deveria ser tolerada ou encarada como “normal” e parte de um “risco calculado” com a migração irregular.

A região de fronteira mexicana-americana é uma das mais expostas quando o assunto é morte de migrantes. No ano passado, 497 pessoas morreram na área tentando entrar nos Estados Unidos.

Desde 2014, quando se iniciaram os registros das travessias de migrantes, mais de 3,8 mil pessoas perderam a vida nas Américas.
© Rafael Rodríguez / OIM
Desde 2014, quando se iniciaram os registros das travessias de migrantes, mais de 3,8 mil pessoas perderam a vida nas Américas.

Texas e Arizona

A maioria das vidas se perdeu nas águas do Rio Bravo / Rio Grande, localizado entre o estado americano do Texas, e o estados mexicanos de Tamaulipas, Nuevo Léon e Coahuila onde 109 migrantes morreram em 2019. O número representa um aumento de 26% se comparado à quantidade de mortes em 2018.

Muitos migrantes que tentavam cruzar as áreas remotas dos desertos do Arizona morreram sem completar o trajeto. Foram 171 óbitos nessa área no ano passado contra 133 em 2018.

Para a lista completa de mortes de migrantes na fronteira dos Estados Unidos com o México visite a página do Projeto Migrantes Desaparecidos aqui  

Ano de 2019 foi o mais mortal para migrantes na região das Américas.