Brasileira participa de evento com Michael Kors sobre segurança alimentar
BR

22 outubro 2019

Blogueira de moda, Camila Coelho, integra campanha do estilista, em parceria com a ONU, para levar alimentos a crianças em todo o mundo; iniciativa já distribuiu quase 19 milhões de refeições em sete anos; ganhadora do Oscar, Lupita Nyong’o, é o rosto da campanha este ano.

Uma iniciativa para combater a fome entre crianças no mundo foi o destaque de um evento, a portas fechadas, na sede da ONU em Nova Iorque.

Liderada pelo estilista Michael Kors, a campanha, que tem como tema este ano “comida é amor”, já distribuiu 19 milhões de refeições.

Em todo o mundo, 149 milhões de crianças menores de cinco anos não têm o suficiente para comer. Kors apoia o Programa Mundial de Alimentos, PMA.

A blogueira de moda brasileira Camila Coelho esteve no evento ao lado da atriz e ganhadora do Oscar, Lupita Nyong'o.

A atriz vencedora do Oscar Lupita Nyong'o junto com o estilista e o embaixador da Boa Vontade da ONU Michael Kors falam sobre campanha "Watch Hunger Stop" em evento na sede da ONU em Nova York. Foto: ONU News/Joon Park

Em entrevista à ONU News, Camila Coelho contou por que decidiu participar da campanha.

“Eu venho de uma cidade muito pequena do Brasil, do interior de Minas Gerais. É uma cidade de 15 mil habitantes e uma região onde tem muita pobreza mesmo. Eu cresci vendo e conhecendo famílias que muitas vezes não tinham algo para comer, não sabiam o que poderiam comer no próximo dia.”

A blogueira disse que admira a campanha de Kors e que pretende continuar ajudando a mudar este quadro de pobreza.

“Isso me inspirou muito, depois de tantas oportunidades que eu tive na vida, para ajudar. Poder ajudar hoje, com o meu trabalho, a cidade de onde eu venho (Virginópolis), que talvez poderia nunca receber uma ajuda por ser um lugar tão desconhecido e tão longe, me faz muito feliz. Eu uso a minha plataforma, o meu jeitinho, as minhas coisas, mesmo, para poder ajudar, da minha forma, do meu jeito.”

Camila Coelho também disse que “admira muito” a forma como o estilista “usa a sua plataforma e a sua paixão pela moda para lutar contra a fome” e que tenta fazer o mesmo.

Todos os anos, ela vende todas as roupas, produtos de beleza e acessórios que recebe das marcas com quem trabalha. O dinheiro é depois doado para uma série de entidades na sua cidade, como o lar de idosos, uma instituição de crianças com deficiência e o hospital.

Campanha

No lançamento da campanha, Michael Kors lembrou que uma em cada nove pessoas vai para a cama com fome.

Este ano, o objetivo é distribuir 2 milhões de refeições até 31 de março de 2020. O estilista disse que esses resultados são "apenas a ponta do iceberg” e que continuará trabalhando.

Os lucros da venda de cada camiseta ou sacola criadas para a campanha serão doados para o PMA.

Um valor de US$ 25 permite comprar 100 refeições. A campanha também estará presente nas redes sociais. Para cada foto que for partilhada com a hashtag #WatchHungerStop a marca irá doar 100 refeições.

Depois da atriz Kate Hudson ou da cantora Hailee Steinfeld, a embaixadora da campanha esse ano é a atriz Lupita Nyong'o. Ela disse que aceitou participar para que o mundo “se aproxime um pouco mais do objetivo” de acabar com a fome até 2030.

Segundo a ONU, cerca de 821 milhões de pessoas em todo o mundo estavam desnutridas em 2017. Problemas de nutrição são responsáveis pela morte de 45% das mortes de crianças com menos de cinco anos em todo o mundo, cerca de 3,1 milhão de meninos e meninas todos os anos.

O PMA é a maior agência de ajuda alimentar no mundo, estando presente em 83 países, onde assiste cerca de 86,7 milhões de pessoas a cada ano.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

FAO: redução de perdas e desperdícios alimentares é essencial para alcançar metas globais

Agência da ONU fornece novas estimativas de perda de alimentos desde a pós-colheita até, mas excluindo, o varejo; objetivo é ajudar a identificar medidas apropriadas para uma redução eficaz do problema; economista da FAO cita exemplo brasileiro para lidar com questão.

“Não basta só combater a fome”, diz José Graziano da Silva sobre novo livro

A ONU News em Nova Iorque conversou com o ex-diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO. O brasileiro aponta a má nutrição e outras formas de deficiência nutricional como “fome escondida”.