Nas Bahamas, secretário-geral pede mais ação contra mudança climática

Vista da destruíção nas Bahamas
Foto: ONU/Mark Garten
Vista da destruíção nas Bahamas

Nas Bahamas, secretário-geral pede mais ação contra mudança climática

Clima e Meio Ambiente

António Guterres visitou locais afetados por furacão Dorian; agências da ONU estão no terreno para apoiar os esforços de socorro nas ilhas afetadas de Abaco e Grand Bahama; Encontro de Cúpula de Ação Climática acontece em Nova Iorque a 23 de setembro.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, está de visita às Bahamas, que foi atingida este mês pelo furacão Dorian.

Falando a jornalistas na capital do país, Nassau, o chefe da ONU disse que “o pior impacto” da mudança climática “é nos países com as menores emissões de efeito de estufa.”

Ajuda

Tweet URL

Guterres disse que “as Bahamas são um bom exemplo disso”, onde “são as pessoas mais pobres e vulneráveis  que sofrem mais.” Além disso, “tempestades repetidas prendem estes países em um ciclo de desastres e dívidas.”

Agências da ONU estão no terreno para apoiar os esforços de socorro nas ilhas afetadas de Abaco e Grand Bahama.

O chefe da ONU disse que “em algumas áreas, mais de três quartos de todos os edifícios foram destruídos, hospitais estão em ruínas ou sobrecarregados e escolas transformadas em escombros.”

Segundo ele, “milhares de pessoas continuarão precisando de ajuda com comida, água e abrigo, e muitas outras enfrentando as incertezas do futuro depois de terem perdido tudo.”

Embora o custo financeiro do furacão Dorian ainda não tenha sido determinado, Guterres estimou que será na ordem dos bilhões de dólares.

O secretário-geral afirmou que “não se pode esperar que as Bahamas paguem esta conta sozinhas” e que “estes novos desastres relacionados ao clima requerem uma resposta multilateral.”

Segundo ele, é preciso alcançar a meta de US$ 100 bilhões por ano, de fontes públicas e privadas, para mitigação e adaptação nos países em desenvolvimento. Guterres também apoia “firmemente”, em casos como as Bahamas, que a dívida externa do país seja transformada em investimento em resiliência.

Visita

O secretário-geral visitou um abrigo para pessoas deslocadas pelos furacões. Ele também encontrou muitos refugiados do Haiti e destacou o apoio generoso que lhes foi dado.

Segundo ele, a presença de tantos refugiados vulneráveis mostra a importância do apoio internacional para “ajudar as Bahamas a lidar com o impacto da tempestade, mas também com a necessidade de ajudar populações muito vulneráveis de estrangeiros que vivem na região, muitos deles sem documentos."

Ação global

Durante a visita, Guterres repetiu a necessidade de ação climática imediata. 

Ele considera “totalmente inaceitável que se continue subsidiando combustíveis fósseis” e que “um número tão grande de usinas de carvão esteja sendo construído no mundo.”

Segundo ele, se a situação não for revertida “veremos tragédias como essa se multiplicando e se tornando cada vez mais intensas e mais frequentes ".

Líderes mundiais participam do Encontro de Cúpula de Ação Climática da ONU a 23 de setembro, em Nova Iorque. 

Mais uma vez, António Guterres disse que os representantes estão sendo convidados a participar não com discursos, mas com planos para alcançar a neutralidade do carbono, reduzir as emissões e melhorar a adaptação à mudança climática.