ONU lança plano para proteger locais religiosos

12 setembro 2019

Nova estratégia inclui recomendações para melhorar segurança destes lugares; secretário-geral diz que ódio ameaça todas as pessoas e, por isso, todos devem fazer parte deste trabalho.

O secretário-geral lançou esta quinta-feira, em Nova Iorque, o Plano de Ação das Nações Unidas para Salvaguardar Locais Religiosos.

Durante o lançamento, António Guterres disse que “locais de culto devem ser refúgios seguros para reflexão e paz, não locais de derramamento de sangue e terror.”

Miguel Moratinos preparou o novo Plano de Ação a pedido do secretário-geral, Captura de ecrã

Violência

O chefe da ONU afirmou que “o mundo está enfrentando uma onda de antissemitismo, ódio anti-muçulmano, ataques contra cristãos e intolerância contra outros grupos religiosos.”

Segundo ele, somente nos últimos meses, judeus foram assassinados em sinagogas, muçulmanos mortos em mesquitas e cristãos mortos em oração.

Trabalho

Em março desse ano, depois de um ataque a uma mesquita em Christchurch, na Nova Zelândia, Guterres pediu ao alto representante da Aliança das Civilizações, Miguel Moratinos, que desenvolvesse um plano.

Na apresentação, Moratinos explicou que se reuniu com governos, líderes e organizações religiosas, sociedade civil, jovens, membros da comunicação social e setor privado para preparar o documento.

O alto representante disse que o plano pretende “ser um documento orientado para resultados que possa fornecer melhor preparação e resposta a possíveis ataques contra locais religiosos.”

Segundo ele, o sucesso da estratégia depende “da sua implementação e no compromisso de todas as partes interessadas, em particular dos Estados-membros.”

Planos

Secretário-geral depoista coroa de flores em Christchurch, na Nova Zelândia, depois de tiroteio em mesquita, ONU/Mark Garten

O Plano de Ação será complementado pelo Programa Global sobre Proteção de Alvos Vulneráveis, que está sendo preparado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, Unodc.

O plano fornece recomendações concretas para garantir que os locais religiosos sejam seguros, que os fiéis possam cumprir seus rituais em paz e que os valores de compaixão e tolerância sejam promovidos em todo o mundo.

O documento tem como base a Declaração Universal dos Direitos Humanos e sete princípios: respeito, responsabilidade, diversidade, diálogo, solidariedade, atuar juntos e ficar juntos.

Segundo António Guterres, esses esforços são complementados pela Estratégia e Plano de Ação sobre Discurso de Ódio, que a ONU lançou em junho.

O chefe da ONU afirmou que “ambos os planos fornecem novas ferramentas importantes que se reforçam mutuamente para combater a intolerância e promover a coexistência pacífica.”

Ódio

Falando a jornalistas após a apresentação, António Guterres disse que quando locais religiosos “são atacados, são atacados os próprios pilares da sociedade.”

Segundo ele, além da violência contra estes lugares, “retórica repugnante também está se espalhando como fogo.” Isso inclui discursos de ódio contra grupos religiosos, mas também migrantes, refugiados e minorias, e afirmações de supremacia branca e um ressurgimento da ideologia neonazista.

Guterres concluiu dizendo que “o ódio é uma ameaça para todos e, por isso, combatê-lo deve ser um trabalho para todos.”

 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

ONU quer mais alianças para travar "ascensão do ódio"

Alto representante das Nações Unidas para a Aliança de Civilizações apela a tolerância cultural e religiosa; manipulação dos crentes e dos textos sagrados identificada como uma das causas para radicalização.