Instalação com mochilas do Unicef pede maior proteção às crianças que vivem em conflito BR

De acordo com o Unicef, a instalação, é uma mensagem para os líderes mundiais, em um momento em que crianças em muitas partes do mundo estão retornando à escola.
© UnicefF/Farber/Getty
De acordo com o Unicef, a instalação, é uma mensagem para os líderes mundiais, em um momento em que crianças em muitas partes do mundo estão retornando à escola.

Instalação com mochilas do Unicef pede maior proteção às crianças que vivem em conflito

Paz e segurança

3.758 mochilas escolares mostram grave escala de mortes de crianças em conflitos em 2018; relatório indica que mais de 12 mil crianças foram mortas ou mutiladas em zonas de conflito no ano passado.

3.758 mochilas em fileiras que lembram um cemitério, cada uma representando uma perda sem sentido de uma vida jovem em conflito. Elas formam uma instalação do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, que foi inaugurada neste domingo na sede da ONU em Nova Iorque. 

O objetivo da mostra, que encerra no dia 10 de setembro, é apresentar a escala devastadora de mortes de crianças em zonas de conflito, ocorridas em 2018. 

Mensagem

De acordo com o Unicef, a instalação, é uma mensagem para os líderes mundiais, em um momento em que crianças em muitas partes do mundo estão retornando à escola. Ela também ocorre apenas alguns dias antes da Assembleia Geral das Nações Unidas. 

A diretora executiva da agência, Henrietta Fore, apontou que ”as mochilas do Unicef sempre foram um símbolo de esperança e possibilidade de infância.” Ela lembrou ainda que “em apenas duas semanas, os líderes mundiais reunidos na Assembléia Geral da ONU celebrarão o trigésimo aniversário da Convenção sobre os Direitos da Criança” e que “esta instalação deve lembrá-los o que está em jogo. ”

O Unicef destaca que depois que a instalação for desativada, as mochilas continuarão em sua jornada para apoiar a educação das crianças.
 

3,758 school backpacks.
3,758 young lives lost to conflict.

As children in many parts of the world return to school, we’re calling on world leaders at #UNGA to protect #ChildrenUnderAttack. #ENDviolence pic.twitter.com/3BdOLIPTpK

— UNICEF (@UNICEF) September 8, 2019

Mortes

De acordo com o Relatório Anual de 2019 do secretário-geral sobre crianças e conflitos armados, mais de 12 mil crianças foram mortas ou mutiladas em zonas de conflito no ano passado. Este foi o número mais alto desde que as Nações Unidas começaram a monitorar e denunciar esta grave violação. 

O Unicef enfatiza que estes são apenas incidentes verificados e que é provável que os números reais sejam muito maiores. A agência estima que em um quarto dessas incidências, as crianças perderam a vida.

Conflito

Em conflitos ocorrendo no Afeganistão, na República Centro-Africana, na Somália, no Sudão do Sul, na Síria, no Iêmen e em muitos outros locais, são as crianças que pagam o preço mais alto da guerra. O Unicef aponta que o uso contínuo e generalizado de armas explosivas, como ataques aéreos, minas terrestres, morteiros, dispositivos explosivos improvisados, ataques com foguetes causam a grande maioria das vítimas de crianças em conflitos armados.


Fore explicou que como muitas crianças voltam à escola esta semana, o Unicef está “chamando a atenção para milhares de crianças mortas em zonas de conflito e cuja perda trágica será sentida para sempre em suas casas, salas de aula e comunidades em todo o mundo.” Ela disse ainda que "os ganhos notáveis ​​feitos para crianças nos últimos 30 anos mostram claramente o que podemos fazer se aproveitarmos a vontade política de colocar as crianças em primeiro lugar."

Instalação com mochilas do Unicef pede maior proteção às crianças que vivem em conflito