Maláui implementa programa de teste de vacina inovadora contra a malária

23 abril 2019

Ensaios clínicos mostram que imunização previne cerca de quatro em cada dez casos de malária em crianças; vacina tem sido desenvolvida nos últimos 30 anos; OMS vai analisar resultados para definir recomendações.

A Organização Mundial de Saúde, OMS, saudou o lançamento no Maláui da primeira vacina contra a malária do mundo, através de um programa piloto.

O país é o primeiro de três em África em que a vacina, conhecida como RTS, S, será disponibilizada para crianças até aos dois anos de idade. Gana e Quénia deverão seguir o exemplo nas próximas semanas.

Inovação

A vacina foi recomendada pela OMS para a introdução piloto em áreas selecionadas dos três países africanos.Banco Mundial/ Dominic Chavez

A vacina tem sido desenvolvida ao longo dos últimos 30 anos e é, até à data, a única a demonstrar que pode reduzir significativamente a malária em crianças.

Durante os ensaios clínicos, descobriu-se que a vacina previne cerca de quatro em dez casos de malária, incluindo três em dez casos de malária severa.

Segundo a OMS, este programa piloto é projetado para gerar dados que possa ser utilizados nas recomendações de políticas da agência sobre o uso mais amplo desta vacina.

Serão examinadas as reduções nas mortes de crianças, a administração da vacina, incluindo se os pais levam seus filhos a tempo para as quatro doses necessárias e a segurança da vacina no contexto do uso rotineiro.

Resultados

A vacina atua contra o Plasmodium falciparum, o mais mortal parasita da malária em todo o mundo e o mais prevalente em África.

A vacina foi recomendada pela OMS para a introdução piloto em áreas selecionadas dos três países africanos.

Ela será avaliada para uso complementar e não de substituição de outras medidas de prevenção, de diagnóstico e de tratamento recomendadas pela OMS.

A vacina será disponibilizada por meio de programas de imunização de rotina para crianças pequenas que vivem em áreas selecionadas dos três países. De acordo com a OMS, anualmente, pelo menos 360 mil crianças nos três países-piloto receberão a vacina nas unidades de saúde onde recebem as suas vacinações de rotina.

As autoridades de imunização nos três países especificarão o cronograma de vacinação, com base nas recomendações da OMS.

São necessárias quatro doses, sendo a primeira dose dada o mais cedo possível após os cinco meses de idade, seguida das doses dois e três em intervalos mensais aproximados e a quarta dose perto do segundo aniversário da criança.

PATH
Um trabalhador de saúde no Malauí se prepara para administrar a nova vacina contra a malária

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Campanha #AsVacinasFuncionam do Unicef foca em usuários de redes sociais

Semana Mundial da Imunização acontece entre 24 e 30 de abril; segundo agência da ONU, imunização salva até 3 milhões de vidas por ano; em 2017, 1,5 milhão de crianças morreram de doenças evitáveis pela vacinação.

Ciclone Idai: educação está em risco para mais de 305 mil crianças em Moçambique

Segundo o Unicef mais de 3,4 mil salas de aula foram danificadas ou destruídas pelo ciclone; interrupção prolongada do acesso à educação pode ter consequências devastadoras a curto e a longo prazo.