Expansão de intervenções contra a malária pode evitar 4 milhões de mortes até 2030

23 agosto 2019

Relatório publicado esta sexta-feira destaca necessidade de apostar em pesquisa e desenvolvimento; a este ritmo, mundo não deve cumprir objetivos traçados até 2030; nova vacina contra a doença já foi testada em Gana e Malauí.

A ampliação das intervenções atuais contra a malária impediria 2 bilhões de casos e 4 milhões de mortes até 2030. Um novo estudo aponta que isso aconteceria se essas intervenções chegassem a 90% da população dos 29 países onde acontecem 95% dos casos.

O relatório do Grupo Consultivo Estratégico da Organização Mundial da Saúde, OMS, sobre Erradicação da Malária, foi publicado esta sexta-feira.

Custo

Investigador na China demonstra o uso de um teste de diagnóstico rápido de malária, OMS/Christine McNab

Os especialistas estimam o custo dessa ampliação em US$ 34 bilhões, mas o ganho econômico seria de cerca de US$ 283 bilhões no Produto Interno Bruto, PIB, desses países.

Os benefícios seriam maiores entre algumas das populações mais vulneráveis​​. Crianças com menos de cinco anos representam 61% de todas as vítimas mortais. Mais de 90% das 400 mil mortes anuais ocorrem na África Subsaariana.

Em nota, o diretor-geral da OMS disse que "libertar o mundo da malária seria uma das maiores conquistas em saúde pública." Para Tedros Ghebreyesus, “com novas ferramentas e abordagens, essa visão pode se tornar uma realidade.”

Pesquisa

A OMS afirma que a aceleração da pesquisa e desenvolvimento é fundamental para cumprir esse objetivo. Neste momento, menos de 1% do financiamento nesta área da saúde vai para o desenvolvimento de ferramentas para combater a malária.

O presidente do Grupo Consultivo da OMS, Marcel Tanner, disse que é necessário “reforçar a motivação para encontrar estratégias e ferramentas transformadoras que podem ser adaptadas à situação local.”

O especialista afirmou que manter a situação atual “não está apenas atrasando o progresso, mas sim fazendo recuar.”

A pesquisa também afirma que a maioria das ferramentas utilizadas para combater a malária foi desenvolvida no século passado, como mosquiteiros tratados com inseticida, pulverização residual interna, testes de diagnóstico e medicamentos.

Apesar disso, novas abordagens promissoras de diagnóstico, medicamentos e inseticidas estão sendo desenvolvidas. Um dos melhores exemplos é a primeira vacina de malária do mundo, que já foi usada em Gana e Malauí e deve agora ser levada para o Quênia.

Todos os anos, o número global de novos casos de malária ultrapassa os 200 milhões, sendo que a cada dois minutos, uma criança morre desta doença tratável, OMS/ Mark Nieuwenhof

Situação

As taxas globais de infecção e mortalidade por malária permaneceram praticamente inalteradas desde 2015.

Segundo o último Relatório Mundial da Malária da OMS, o mundo não deve cumprir as metas para 2030 estabelecidas na Estratégia Técnica Global da OMS para a malária 2016-2030. O objetivo era alcançar uma redução de 90% na incidência de casos de malária e taxa de mortalidade.

Desafios

Em muitos países, o acesso aos serviços de saúde continua sendo um grande desafio.

Em África, apenas uma em cada cinco mulheres grávidas que vivem em áreas de moderada a alta transmissão tem acesso aos medicamentos necessários. Apenas metade das pessoas em risco dormem sob uma rede tratada com inseticida.

O novo relatório destaca a necessidade de repensar as abordagens. Em novembro de 2018, a OMS lançou uma iniciativa que se foca nos 11 países com 70% da carga mundial de malária, 10 países africanos e a Índia, para melhorar os resultados.

O Grupo Consultivo da OMS publicou o relatório antes de um fórum da agência dedicado ao tema que acontece em Genebra em 9 de setembro de 2019.

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Argélia e Argentina declaradas livres da malária

Doença provoca cerca de 435 mil mortes por ano; Argélia é primeira nação africana que recebe essa certificação em mais de 40 anos; Opas defende que Argentina servirá como inspiração e exemplo para as Américas.