Ciclone Idai: educação está em risco para mais de 305 mil crianças em Moçambique BR

Família vivendo em um dos locais de acolhimento da OIM, na cidade de Beira, Moçambique
OIM/Sandra Black
Família vivendo em um dos locais de acolhimento da OIM, na cidade de Beira, Moçambique

Ciclone Idai: educação está em risco para mais de 305 mil crianças em Moçambique

Ajuda humanitária

Segundo o Unicef mais de 3,4 mil salas de aula foram danificadas ou destruídas pelo ciclone; interrupção prolongada do acesso à educação pode ter consequências devastadoras a curto e a longo prazo.

Mais de 305 mil crianças em Moçambique tiveram a educação interrompida por causa dos estragos causados pelo Ciclone Idai. Segundo o Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, mais de 3,4 mil salas de aula foram danificadas ou destruídas pelo ciclone que afetou o país há um mês.

Somente na região de Sofala, 2.713 salas de aula foram prejudicadas. Em alguns casos, escolas precisam de obras extensivas após terem sido utilizadas como abrigo de emergência por crianças e famílias deslocadas após o desastre natural. Para o Unicef, esses locais precisam ser reconstruídos de forma que possam suportar desastres naturais no futuro.

 Famílias no acampamento Samora Michel na Beira, em Moçambique.
Famílias no acampamento Samora Michel na Beira, em Moçambique., by OIM/Sandra Black

Apelo

A agência da ONU fez um apelo aos parceiros humanitários para que continuem trabalhando em conjunto para implementar soluções. Entre estas, o estabelecimento de centros temporários para que as crianças possam voltar a escola o mais rápido possível.

O Unicef destaca que a interrupção prolongada do acesso à educação pode ter consequências devastadoras para as crianças tanto a curto como a longo prazo. A educação é essencial para ajudar as crianças a retornarem ao senso de normalidade após um evento traumático, como um grande ciclone, e para seu desenvolvimento e perspectivas a longo prazo.

Preocupação

Outra preocupação do Unicef é que os danos na infraestrutura da educação possam prejudicar os níveis já baixos de crianças matriculadas e resultados de aprendizado. Em todo o país, menos de 20% das crianças em idade escolar secundária vão à escola.

As taxas de abandono podem aumentar se as famílias cujas propriedades ou meios de subsistência forem afetadas negativamente pelo ciclone ou obrigadas a enviar os seus filhos ao trabalho para sobreviver.

Professores

Segundo a agência, professores também foram afetados por causa do ciclone e por isso é essencial que eles recebam o apoio que precisam. O Unicef propõe um apoio temporário para os professores que foram prejudicados para que assim, eles possam reconstruir a vida e retornarem às salas de aula.

As necessidades em Moçambique continuam grandes, com 1 milhão de crianças precisando de assistência.

O Unicef lançou um apelo por US$ 122 milhões para apoiar a sua resposta humanitária às crianças e famílias afetadas pelo ciclone em Moçambique, no Zimbabué e no Maláui durante os próximos nove meses.