OIT: somente 20% do lixo eletrônico é reciclado formalmente
BR

17 abril 2019

Organização Internacional do Trabalho diz que são necessárias ações urgentes para lidar melhor com problema; estimativa é de que mundo produza cerca de 50 milhões de toneladas e e-lixo por ano.

A Organização Internacional do Trabalho, OIT, fez um apelo por ações urgentes para gerenciar de forma mais adequada  a inundação tóxica de resíduos elétricos e eletrônicos, conhecidos como e-lixo.

Desta forma, segundo a agência, estes resíduos poderão ser transformados em uma fonte valiosa de trabalho decente.

Nos Estados Unidos e no Canadá, cada pessoa produz cerca de 20 quilos de lixo eletrônico por ano, by ITU

Trabalhadores

Em encontro da OIT realizado em Genebra, representantes de governos, organizações de trabalhadores e empregadores concordaram que governos devem “aumentar a promover investimento em infraestrutura de gerenciamento de resíduos e sistemas em todos os níveis.”

O objetivo é lidar com o crescimento rápido de lixo eletrônico, de uma forma que promova o trabalho descente.

No encontro também houve consenso sobre a urgência de proteger as pessoas que trabalham com o lixo eletrônico, que é tóxico, perigoso e afeta negativamente os trabalhadores e o meio ambiente.De acordo com a OIT, somente 20% do chamado e-lixo é reciclado formalmente, embora seja avaliado em mais de US$ 62 bilhões.

Esses materiais têm se tornado um recurso cada vez mais importante para os trabalhadores informais que recuperam, consertam, reformam, reutilizam, adaptam e reciclam equipamentos elétricos e eletrônicos, trazendo serviços e produtos inovadores ao mercado e facilitando uma transição para a economia circular.

E-lixo

A estimativa é de que o mundo produza cerca de 50 milhões de toneladas e e-lixo por ano.

Segundo o estudo uma nova Visão Circular para Eletrônicos - Hora de um Reinício Global, publicado em janeiro deste ano, o Brasil é um dos 11 principais destinos do mundo de materiais eletrônicos descartados.

Nos Estados Unidos e no Canadá, cada pessoa produz cerca de 20 quilos de lixo eletrônico por ano. Na União Europeia, a quantidade é de 17,7 kg. No entanto, o 1,2 bilhão de habitantes do continente africano gera, em média, 1,9 kg de lixo eletrônico.

Todos os anos, um total de 1,3 milhão de toneladas de produtos eletrônicos descartados acabam sendo exportadas do bloco europeu sem documentação.

O movimento ilegal de lixo eletrônico das nações desenvolvidas para os países em desenvolvimento é considerado um dos principais desafios atuais. O estudo diz que existe uma rede complexa de portos de chegada que evita a detecção do lixo eletrônico pelas autoridades.

A OIT faz parte da Coalizão de E-lixo da ONU, criada para aumentar a colaboração, construir parcerias e fornecer de forma mais eficiente apoio para ajudar os Estados a lidar com os desafios do lixo eletrônico.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Agência da ONU alerta sobre impacto dos smartphones no meio ambiente

Telefones inteligentes estão entre os aparelhos que têm maior impacto no uso de recursos em relação ao peso; indústria eletrônica gera até 41 milhões de toneladas de lixo a cada ano.

Valor do lixo eletrônico global chega a US$ 62,5 bilhões, revela estudo

Relatório sobre tema foi apresentado no Fórum Econômico Mundial de Davos; Brasil está entre os principais destinos do descarte de eletrônicos; estudo defende que milhões de novos empregos podem substituir recicladores informais.