António Vitorino destaca “ligação umbilical” da juventude com migração

28 fevereiro 2019

Diretor-geral da Organização Internacional para Migrações participou em encontro sobre o tema em Nova Iorque; em entrevista à ONU News, representante disse que “esta é a geração que tem de ganhar força para tomar conta dos destinos coletivos”.

O diretor-geral da Organização Internacional para Migrações, OIM, António Vitorino, disse à ONU News que a juventude tem uma “ligação umbilical” com o tema da migração.

O representante falou esta quinta-feira na sede da ONU, em Nova Iorque, à margem de um encontro sobre juventude e migração.

Objetivos

António Vitorino explicou que o “diálogo serve para olhar para as migrações na perspectiva dos jovens” e perceber “o que os jovens esperam das migrações." Acnur/Santiago Escobar-Jaramillo

António Vitorino explicou que o “diálogo serve para olhar para as migrações na perspectiva dos jovens” e perceber “o que os jovens esperam das migrações e, sobretudo, que espécie de sociedade estamos a preparar para eles viverem.”

“Achamos que as migrações têm uma ligação umbilical com a juventude. Quer na perspectiva dos países de origem, isto é, quem migra normalmente são jovens, quer na perspectiva dos países de acolhimento, porque é preciso mobilizar a juventude dos países de destino para garantir que continuaremos a viver em sociedades tolerantes, abertas, plurais, onde há diálogo, onde há convívio, entre diferentes origens étnicas, religiosas, rácicas, de orientação sexual.”

Importância

Este evento é o primeiro de dois diálogos que acontecem este ano com foco no envolvimento dos jovens como parceiros nesta área. Dos 258 milhões de migrantes em todo o mundo, cerca de 11% tinha entre 15 e 24 anos em 2017.

O diretor-geral da OIM explicou que o encontro é importante porque estas pessoas serão responsáveis pelas decisões que vão influenciar o futuro da população.  

“No mundo inteiro existem cerca de quase 2 mil milhões de pessoas entre os 10 e os 24 anos de idade. Esta será a geração que tem de ganhar força, coragem e decisão para tomar conta dos destinos coletivos, sejam eles oriundos de países de origem de migração, sejam eles de países de destino. Portanto, este diálogo é também, desse ponto de vista, intergeracional, na perspectiva de preparar o empoderamento das novas gerações.” 

Evento

Segundo as Nações Unidas, o evento serve para promover melhores práticas e recomendações em todas as áreas relevantes, incluindo o envolvimento de jovens nos processos de formulação de políticas, adaptação e resiliência entre jovens migrantes, capacitação de jovens como agentes de integração e atores do desenvolvimento.

A organização diz que o objetivo é “explorar os esforços para mudar a narrativa tóxica atual e o discurso de ódio contra migrantes, particularmente jovens migrantes que são alvos frequentes ​​através de mídias sociais.”

Aumento

Além de António Vitorino, participou também a presidente da Assembleia Geral, María Fernanda Espinosa. A representante afirmou que os “jovens estão se movendo mais do que nunca.”

Enviada para a juventude, Jayathma Wickramanayake., by ONU/Mark Garten

Espinosa destacou que, desde o ano 2000, cerca de 60 mil jovens morreram durante as suas travessias. Muitos outros milhares foram vítimas de tráfico humano. Segundo ela, estas pessoas enfrentam com frequência “condições precárias, são vítimas de exploração laboral e não contam com proteção social.”

A presidente da Assembleia Geral também mencionou alguns pontos positivos.

Segundo ela, os jovens, “com seu engenho, criatividade e dinamismo, integram-se mais rapidamente em novas sociedades e unem as comunidades.” A representante acredita que “eles têm um papel preponderante para favorecer o diálogo intercultural e compreensão mútua” e “são atores importantes para consolidar sociedades pacíficas e inclusivas.”

Espinosa destacou também os cerca de 4,3 milhões de jovens que estudam em universidades estrangeiras. Ela acredita que “assim como muitos outros, estes jovens emigram levando seus conhecimentos e capacidades” e “todos eles enriquecem as sociedades de acolhimento.”

Diálogo

A enviada especial do secretário-geral para a juventude, Jayathma Wickramanayake, foi outra das participantes no evento.

A enviada participou num diálogo com o ministro dos Assuntos da Juventude da Serra Leoa, Mohamed Bangura, o vice-ministro para a Mobilidade Humana do Equador, Santiago Javier Chavez Pareja, e a enviada para a Juventude da União Africana, Aya Chebbi.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Migração é tema de debate em reunião de alto nível na ONU

Presidente da Assembleia Geral destaca que “Pacto Global para a Migração não afeta a soberania de nenhum Estado, pelo contrário, reforça”; para María Fernanda Espinosa “nenhum Estado, por mais poderoso que seja, poderá resolver sozinho os desafios que a migração apresenta.”

Mais de 3,4 milhões de venezuelanos já deixaram o país

Colômbia é o maior anfitrião com 1,1 milhão de migrantes e refugiados da Venezuela; Brasil é o sexto país que mais recebe estes migrantes; em 2018, houve 74% do total dos pedidos de asilo apresentados por venezuelanos nos últimos cinco anos.