ONU: 3 milhões de migrantes seguem bloqueados por medidas contra Covid-19
BR

19 janeiro 2021

Em entrevista à ONU News, chefe da Organização Internacional para Migrações elogia países que já estão incluindo migrantes nos planos nacionais de vacinação: entre eles: Portugal, Chade, Equador e Alemanha; estado americano do Texas também está imunizando trabalhadores estrangeiros.

As medidas de confinamento social e bloqueio para conter a Covid-19 continuam afetando pelo menos 3 milhões de migrantes em todo o mundo. A informação foi dada à ONU News pelo diretor-geral da Organização Internacional para Migrações, OIM, António Vitorino.

“A pandemia teve um impacto enorme junto dos migrantes, não apenas do ponto de vista da saúde porque muitas vezes os migrantes vivem em ambientes, em casas, em zonas do país extremamente povoadas, mas também do ponto de vista da sua mobilidade. Nós temos cerca de 3 milhões de imigrantes bloqueados em virtude  do fecho das fronteiras e das restrições impostas à movimentação e aos processos de confinamento.”

Acesso universal

Com o início da campanha de vacinação em dezenas de países desenvolvidos e que concentram a maior parte dos migrantes internacionais incluindo Estados Unidos e Alemanha, a agência da ONU pede que os migrantes sejam inseridos nos planos de ações de imunização, pois todos precisam estar seguros do novo coronavírus.

Para o chefe da OIM, que falou à repórter Yasmina Guerda, de Genebra, alguns países já deram esse passo, mas o acesso precisa ser universal.

“Nós temos vários exemplos de países que já adotaram medidas no sentido de incluir os imigrantes, independentemente de seu estatuto legal, na cobertura de saúde inclusivamente nos planos de vacinação. É o caso do Texas, nos Estados Unidos, ou o caso de Portugal, ou o caso do Chade, ou o caso da Alemanha ou do Equador. Em vários países do mundo, essas decisões já foram tomadas. Mas nós reconhecemos também que ainda há países que não se compenetraram da importância que têm em incluir os imigrantes na proteção de saúde e na vacinação. 

Mohamed Yassin
Em Israel, mulher mostra que foi vacinada contra Covid-19

Receio

Não apenas porque se trata do interesse fundamental da pessoa, mas também porque é do interesse do conjunto da comunidade que toda a gente esteja segura para que o conjunto da população esteja também seguro.”

O mundo tem atualmente 281 milhões de pessoas que vivem ou trabalham fora de seus países de origem e são reconhecidas como migrantes. 

O maior destino é os Estados Unidos com 51 milhões de migrantes, seguido pela Alemanha com 16 milhões e Arábia Saudita com 13 milhões. Rússia e Reino Unidos aparecem em seguida na lista com 12 milhões e 9 milhões, respectivamente.

PMA Índia
Migrantes na Índia recebendo apoio humanitário

Confiança mútua

Segundo a OIM, muitas pessoas em situação migratória irregular têm receio de procurar os serviços de sáude para a vacinação e serem detidas ou deportadas. O chefe da agência da ONU afirma que os governos devem fazer mais para evitar esta situação. 

“O que é necessário é criar esta relação de confiança mútua com os imigrantes e adotar os mecanismos necessários que tornam claro que a vacinação e o acesso aos cuidados de saúde não serão usados para aplicação de leis de imigração.”

Vitorino diz que o conselho da OIM é para que todos os migrantes e todas as pessoas sejam vacinadas contra o vírus.

Desde o início da pandemia, a agência da ONU tem apoiado os governos na realização de testes com o suporte de uma rede de mais de 90 clínicas e laboratórios em 56 países.
 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres pede maior solidariedade após 2 milhões de mortes pela Covid-19

Número de mortes globais por Covid-19 chegou a 2 milhões; em mensagem, secretário-geral, António Guterres,  disse que "infelizmente, o impacto mortal da pandemia foi agravado pela ausência de um esforço global coordenado"; leia o texto na íntegra. 

Organização Internacional do Trabalho ressalta desvantagem salarial de migrantes 

Estudo da OIT revela que pandemia acentua discrepâncias; citado no relatório, Portugal mostra variação de 29% no rendimento entre migrantes e portugueses; mulheres ganham 21% a menos que homens desempenhando mesma função.