Experiência de Angola pode apoiar avanços para paz em África, diz coordenador da ONU

25 fevereiro 2019

Em entrevista à ONU News, chefe do Sistema das Nações Unidas em Angola revelou que organização pode auxiliar esforços para impulsionar liderança do país na estabilização regional.

As Nações Unidas podem dar apoio a Angola em ações para consolidar a estabilidade e a paz nos âmbitos sub-regional, regional e global.

As declarações foram feitas à ONU News, de Luanda, pelo coordenador residente das Nações Unidas no país, Paolo Balladelli. 

Tensões

“Na região central africana, Angola fez já um investimento no âmbito da diplomacia. Há que continuar. Recordemos que um dos alvos do trabalho foi a região dos Grandes Lagos, não só na República Democrática do Congo, que neste momento está numa nova etapa com a eleição do novo presidente. Mas há também outros países que compõem a região, por exemplo, o Burundi, onde é importante continuar a trabalhar para baixar as tensões e criar condições de estabilidade. Temos ainda, dentro da mesma região, o esforço de Angola no Lesoto”

Em 2018, um contingente angolano deixou aquele país após integrar uma missão da Comunidade dos Países da África Austral, Sadc, para reestruturar forças daquele país. Nessa altura, Angola liderava o Órgão de Política, Defesa e Segurança daquela entidade sub-regional.

Somente nos últimos dois anos, Angola liderou a Conferência Internacional dos Grandes Lagos, o Conselho de Paz e Segurança da União Africana e completou o mandato de dois anos como membro não-permanente do Conselho de Segurança.

Experiência

O representante disse que ainda há muito por fazer em prol da paz no continente, onde destacou o facto de haver situações nas quais Angola apoiaria em esforços para “consolidar sua liderança nos processos de paz, estabilidade democrática”.

“Casos de terrorismo em áreas como Nigéria e Líbia são âmbitos que não são tão próximos, mas a presença angolana é importante. Há outros âmbitos, que não são assim tão próximos para Angola, para os quais uma presença do país pode ser muito importante pela experiência e pelas capacidades demonstradas com países vizinhos em temas relacionados a conflitos visando criar melhor colaboração e definir acordos de maior estabilidade.”

Balladeli disse que somente uma paz duradoura na região africana pode ser a solução para um desenvolvimento sustentável.

Dinamismo

É nessa pespetiva que o quadro de desenvolvimento do continente adotou como meta “calar as armas até 2020”.

As Nações Unidas concordaram num Quadro de Parceria com Angola que envolve áreas econômica, diplomática e de cooperação. Para o representante, os atuais níveis de colaboração entre as duas partes são “bons e promissores”.

A ONU pretende impulsionar e apoiar Angola “no dinamismo das reformas internas” e partilhar experiências de outros países para acelerar o desempenho do país em áreas como diversificação econômica e desenvolvimento.  

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Especial: ONU e Angola propõem quatro áreas para cooperação até 2022

Prioridades do Quadro de Parceria incluem acesso aos serviços para a população vulnerável, aposta na autonomia de jovens e mulheres para o desenvolvimento, aumento da resiliência da população e democracia e estabilidade.

Primeira-dama de Angola pede investimento em educação para travar barreiras contra a mulher

Em evento da ONU, Ana Dias Lourenço também mencionou desafios do país com 6% de mulheres a mais do que homens; representante discursou no Painel sobre Liderança Feminina promovido por nova iniciativa que junta mulheres líderes.