Em memória das vítimas do Holocausto, ONU alerta para aumento do antissemitismo

27 janeiro 2019

Secretário-geral das Nações Unidas apela à vigilância; alta-comissária para os Direitos Humanos fala de “aumento acentuado” de formas de ódio; Dia Internacional de Memória às Vítimas do Holocausto é observado neste domingo para homenagear 6 milhões de vítimas.

As Nações Unidas assinalam o Dia Internacional de Memória das Vítimas do Holocausto neste  domingo, 27 de janeiro.

Em mensagem especial, o secretário-geral da ONU, afirmou que neste dia é honrada “a memória dos seis milhões de judeus que desapareceram no Holocausto e as muitas vítimas de uma crueldade e horror calculados e sem precedentes.”

Aumento do Antissemitismo

António Guterres, destaca que a data deste ano é observada no contexto de um “aumento alarmante de antissemitismo.”Foto ONU/Eskinder Debebe

António Guterres, destaca que a data deste ano é observada no contexto de um “aumento alarmante de antissemitismo” e lembra o “ataque mortal” a uma sinagoga nos Estados Unidos e a “profanação de cemitérios judeus na Europa.”

O chefe da ONU considera que o mundo assiste à “proliferação de grupos neonazistas”, a “tentativas de reescrever a história e de distorcer os fatos do Holocausto” e alerta que a “intolerância se espalha à velocidade da luz pela Internet.”

Para Guterres é fundamental ser sempre vigilante à medida que a Segunda Guerra Mundial se apaga com o tempo e o número de sobreviventes do Holocausto diminui.

Intolerância

Citando o rabino-chefe do Reino Unido, Jonathan Sacks, o chefe da ONU lembra que o “ódio que começa com os judeus nunca termina com os judeus.”

O secretário-geral termina a sua mensagem dizendo que a intolerância está a entrar na política convencional, “focando nas minorias, nos mulçumanos, nos migrantes e nos refugiados, e explorando a raiva e ansiedade de um mundo em mudança.”

Para Guterres é fundamental que a humanidade se una “na luta pelos valores universais” e na construção de “um mundo de igualdade para todos.”

Direitos Humanos

Bachelet alerta para o “aumento acentuado” de muitas formas de ódio hoje, incluindo o “veneno do antissemitismo.”Foto OIT/ M. Creuset

Também em mensagem especial, a alta comissária da ONU para os direitos humanos, Michelle Bachelet, destaca que este dia pretende expressar “o respeito e tristeza às vítimas desse terrível crime.”

Para a representante, "a humanidade nunca mais poderá ser a mesma após este crime terrível, perpetrado numa escala tão maciça e planeado de forma tão sistemática.”

Bachelet alerta para o “aumento acentuado” de muitas formas de ódio hoje, incluindo o “veneno do antissemitismo”, e outros ataques às comunidades minoritárias, que incluem “agressões físicas e perseguições de crianças e adultos”, bem como campanhas de difamação contra membros de minorias raciais e étnicas e migrantes “em alguns casos com o apoio ativo dos líderes nacionais.”

Tema

As comemorações deste ano têm como tema "Lembrança do Holocausto: Exija e Defenda os Seus Direitos Humanos".

O objetivo é encorajar os jovens a aprenderem com as lições do Holocausto, agir contra a discriminação e defender os valores democráticos nas comunidades, num momento em que “a disseminação do neonazismo e de grupos de ódio alimentam o crescente antissemitismo e outras formas de ódio, em todo o mundo”.

O tema destaca ainda o 70º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Convenção sobre a Prevenção e Punição do Crime de Genocídio.

Assita a mensagem do secretário-geral  do Dia Internacional em Memória às Vítimas do Holocausto: 

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Guterres alerta para ascensão de formas de ódio

ONU marca 70 anos da Convenção contra o Genocídio; secretário-geral pede à comunidade internacional que dialogue para evitar novos casos; 45 Estados membros ainda não ratificaram o tratado.

Guterres diz que cultura, fé e identidade ainda sofrem ameaças em todo o mundo

Para secretário-geral, soluções passam por diálogo, aposta em jovens e respeito a direitos humanos; nova sessão do Fórum da Aliança das Civilizações arrancou na sede das Nações Unidas.