OIT destaca crescimento das desigualdades durante celebração de centenário

10 janeiro 2019

Diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho afirmou que “esperanças e medos são distribuídos de forma desigual”; agência da ONU lançou campanha interativa que promove o trabalho da organização.

No ano em que comemora o seu centenário, o diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, OIT, Guy Ryder, disse que a agência deve ajudar a combater as desigualdades no mundo do trabalho.

A mensagem do chefe da agência coincide com o lançamento de uma campanha interativa que promove o trabalho da organização.

Relevância

O diretor-geral recorda que a natureza do trabalho mudou em muitas partes do mundo, em grande parte devido aos avanços tecnológicos, mas que muitas pessoas não sentem os benefícios.​​​​​​​Foto OIT/ Marcel Crozet

Fundada por 44 países após a Primeira Guerra Mundial, a missão da organização era abordar o descontentamento crescente com as más condições de trabalho na Europa. Ryder diz que hoje esse objetivo é partilhado pelos 187 Estados- membros da OIT.

O diretor-geral recorda que a natureza do trabalho mudou em muitas partes do mundo, em grande parte devido aos avanços tecnológicos, mas que muitas pessoas não sentem os benefícios.

Ryder afirma que "esperanças e medos são distribuídos de forma desigual" e que “a incerteza é alta e os níveis de confiança são muito baixos.”

Conquistas

Segundo a agência, o número de horas de trabalho, o princípio de um salário justo e proteção de trabalhadores incapacitados ou doentes são benefícios e direitos que resultam da intervenção da OIT.

Ryder lembrou que o papel da OIT na promoção da paz internacional através da justiça social era visto por alguns como um "sonho selvagem", uma expressão usada pela primeira vez pelo presidente dos Estados Unidos, Franklin Roosevelt, antes da decisão do país ingressar no órgão em 1934. 

Formação

Em 1919, a tarefa de redigir a Constituição da OIT foi confiada a uma Comissão de Trabalho criada pelos Estados-membros que participaram do Tratado de Versalhes.

A Comissão reuniu-se entre janeiro e abril para redigir a Constituição. No seu preâmbulo, escreveu sobre “distúrbios tão grandes que a paz e a harmonia do mundo estão em perigo.”

Futuro

A primeira Conferência Internacional do Trabalho aconteceu no mesmo ano, em Washington DC, e contou com a participação de 40 países.

O chefe da OIT disse que as normas internacionais do trabalho, adotadas e elaboradas em tratados internacionais, continuam a ser um dos principais meios de ação e influência da OIT, ajudando a criar condições de igualdade, nas quais governos, empregadores e trabalhadores competem de forma justa.

Para ele, "não está além das nossas capacidades construir o futuro do trabalho que queremos, um futuro com empregos decentes para todos."

Ryder afirma que a visão "e a vontade política que a acompanha" são necessárias como nunca antes. 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud