China doa US$ 7 milhões para combater fome no Sudão do Sul

3 janeiro 2019

Programa Mundial de Alimentos precisa com urgência de US$ 179 milhões para os seis primeiros meses do ano; 5,2 milhões de pessoas poderão estar em situação de insegurança alimentar grave entre janeiro e março de 2019.

O Programa Mundial de Alimentos, PMA, anunciou esta quinta-feira uma doação da China de US$ 7 milhões. Este dinheiro será usado no Sudão do Sul, onde cerca de 5 milhões de pessoas têm necessidades alimentares.

A doação vai permitir comprar arroz, legumes e outros alimentos para refeições escolares e rações alimentares que chegarão a mais de 126 mil pessoas nas áreas mais afetadas por conflitos e insegurança alimentar.

Necessidades

O PMA precisa com urgência de US$ 179 milhões, by PMA/Gabriela Vivacqua

Em 2018, o PMA apoiou cerca de 5 milhões de pessoas afetadas pela crise com 259 mil toneladas de alimentos e US$ 24,5 milhões em transferências monetárias.

Apesar disso, as necessidades de assistência alimentar continuam a aumentar. Espera-se que 5,2 milhões de pessoas tenham insegurança alimentar grave entre janeiro e março de 2019.

Um possível retorno de refugiados sul-sudaneses dos países vizinhos também deve aumentar as necessidades.

Ajuda

Para garantir assistência nos primeiros seis meses de 2019 e distribuição de alimentos em locais remotos que estão inacessiveis durante a estação das chuvas, o PMA precisa com urgência de US$ 179 milhões.

Em nota, a agência da ONU destacou o aumento da ajuda da China nos últimos anos. Em 2015 e 2017, a ajuda deste país permitiu entregar  alimentos de emergência a cerca de 290 mil pessoas.

O embaixador chinês no Sudão do Sul, He Xiangdong, disse que "a China estará ao lado do povo do daquele país neste momento de crise alimentar."

Xiangdong explicou que “esta nova contribuição faz parte do compromisso em apoiar os esforços do governo e das agências humanitárias para fornecer alimentos adequados aos sudaneses que enfrentam a fome.”

Importância

O diretor nacional do PMA, Adnan Khan, disse que "a contribuição chinesa chegou num momento crítico, quando o PMA está a pedir mais recursos para responder às crescentes necessidades."

Khan destacou  o apoio às refeições escolares, afirmando que “é um investimento inestimável na próxima geração e no desenvolvimento geral do país.”

Inscreva-se aqui para receber notícias da ONU News por email

 

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Sudão do Sul aumenta nível de alerta devido a três casos suspeitos de ebola

Nível de risco da Organização Mundial da Saúde aumentou de “alto para muito alto” no mais novo país do mundo; doença continua a representar uma grande ameaça para a saúde pública nos níveis nacional e regional na RD Congo.

Sudão do Sul: Acnur pede US$ 2,7 bilhões para maior crise de refugiados da África

Verbas servirão para responder a necessidades humanitárias dos próximos dois anos; mais de 2,2 milhões de refugiados sul-sudaneses estão em seis países vizinhos; violência de género continua sendo uma das grandes preocupações.