Moçambique quer mais comércio digital para impulsionar crescimento económico

13 dezembro 2018

País foi um dos participantes em conferência da Unctad sobre economia digital; nações africanas discutem práticas e benefícios de comércio eletrónico; outra meta é utilizar a internet para acelerar desenvolvimento sustentável.

Nairobi, no Quénia, recebe, até esta sexta-feira, a Semana Africana de Comércio Eletrónico. Sob o tema "Empoderando as Economias Africanas na Era Digital" o evento pretende examinar formas de melhorar a capacidade dos países africanos em desenvolverem e beneficiarem do comércio eletrónico e da economia digital.

Moçambique é um dos países participantes no encontro é promovido pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, em conjunto com a União Africana e a União Europeia.

Economia

O comércio digital permite acelerar desenvolvimento sustentável. Foto: Banco Mundial/ Arne Hoel

A ONU News falou com uma das representantes do país. A jurista do Ministério da Economia e Finanças de Moçambique, Sílvia Mulhovo, explicou a importância do encontro.

“Esta conferência para mim foi muito importante porque foi primeira vez na história que os países africanos se reuniram, todos juntos aqui em Nairobi, a convite do governo queniano, para discutirmos a questão do comércio eletrónico e da economia digital.”

A representante lembra que Moçambique é um país que tem uma economia baseada na agricultura. Pelo menos 70% da população moçambicana vive no campo e desta, 70 % das mulheres trabalham na agricultura.

A jurista dá o exemplo de como estas mulheres podem beneficiar com o comércio digital, fazendo crescer o negócio se souberem expor os seus produtos ao nível internacional.

Aprendizagem

Durante a semana, representantes de governos, do setor privado, da sociedade civil e de organizações internacionais identificam formas inovadoras de moldar a economia digital africana. Um programa que a representante considera muito útil.

“No que diz respeito a Moçambique como país, que também está integrado no comércio internacional, sem sombra de duvida que é muito bom para nós porque ficamos a saber o que está a acontecer ao nível do comércio. Apercebemos que agora estamos numa época de economia digital como tal, precisamos de levar esta informação para o nosso governo como maneira de promover a nossa economia, sem sombra de dúvida que é um momento importante para Moçambique como para os países africanos.

Sustentabilidade

Para a representante, a internet constitui ainda uma oportunidade para acelerar as metas para o desenvolvimento do país.

“De facto há uma ligação muito estreita entre o comércio digital e o desenvolvimento. O comércio digital, sem sombra de dúvida, vai permitir que alcancemos os Objetivos de Desenvolvimentos Sustentável. Isto porque através do comércio digital vamos criar muito mais trabalho, criação de emprego, e vamos também da economia nacional ou regional poder crescer. “

A jurista adianta que o governo e a sociedade de Moçambique estão pouco a pouco a entrar nesta era da economia digital.

Contudo destaca que é necessário contornar as barreiras linguísticas, uma vez que muitas das informações disponíveis sobre a utilização e os benefícios do comércio eletrónico só estão disponíveis noutros idiomas que não o português.

Inscreva-se aqui para receber notícias da ONU News por email

Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News 

Baixe o aplicativo/aplicação para  iOS ou Android

Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Especialista quer mudanças para fim da marginalização de pessoas Lgbt em Moçambique

Perito das Nações Unidas fechou visita ao país nesta segunda-feira; Victor Madrigal-Borloz defende que Estado moçambicano  ainda não assumiu totalmente responsabilidade de acabar com equívocos sobre esta questão.

Agência da ONU e China anunciam resultados de cooperação com Guiné-Bissau e Moçambique

Parceria na área da agricultura inclui tecnologia, conhecimento e investimentos financeiros; objetivo é ajudar a cumprir objetivos da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável.