Assembleia Geral confirma Michelle Bachelet como nova chefe de direitos humanos, na ONU
BR

10 agosto 2018

Ex-presidente do Chile foi indicada ao órgão pelo secretário-geral, António Guterres; ela substituirá o atual alto comissário de direitos humanos, Zeid Al Hussein; chefe da ONU destacou “pioneirismo” de Bachelet.

A Assembleia Geral confirmou a indicação do nome da ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, para ocupar o posto de alta comissária para direitos humanos, nas Nações Unidas. 

Num vídeo gravado em sua conta no Twitter, Michelle Bachelet, agradeceu o apoio recebido para a confirmação de seu nome.

Igualdade

Ela disse que se sentia honrada com o convite do secretário-geral, António Guterres, para ocupar o cargo. Esta é a segunda vez que Bachelet serve à ONU. Ela foi a primeira diretora-executiva da entidade ONU Mulheres, que promove a igualdade de gênero, autonomia e os direitos das mulheres no mundo.

Logo após a confirmação pela Assembleia Geral, António Guterres falou a jornalistas e destacou o que chamou de “pioneirismo” na carreira de Bachelet.

O chefe da ONU lembrou que a próxima alta comissária de direitos humanos foi a primeira mulher a presidir o Chile, de 2006 a 2010. Ela foi também foi pioneira na ONU dando à entidade ONU Mulheres um começo dinâmico e inspirador, em 2010.

Coragem

Guterres agradeceu ao atual chefe dos direitos humanos, Zeid Al Hussein, da Jordânia, pela dedicação e compromisso com a ONU.  Ele disse que Zeid era um colega e um amigo que demonstrou coragem, paixão, liderança e habilidades nos quatro anos em que esteve no posto

Michelle Bachelet deve assumir o novo cargo, com sede em Genebra, na Suíça, em 1º de setembro. Em março, ela deixou a Presidência do Chile, que ocupou pela segunda vez de 2014 a 2018.

Médica de formação, Bachelet também foi ministra da Saúde em seu país e a primeira mulher a ocupar a pasta da Defesa.

Relembre a entrevista da então diretora-executiva da ONU Mulheres, Michelle Bachelet, à ONU News. 

 

 

Em março, Michelle Bachelet deixou a Presidência do Chile, que ocupou pela segunda vez de 2014 a 2018. , by Foto ONU/Cia Pak

Exílio

Ela é conhecida por ser uma campeã dos direitos humanos. Na década de 70, Michelle Bachelet foi presa pelo regime militar. O pai dela, que é era general da Força Aérea chilena, foi preso e morreu sob custódia militar. Ela e a mãe passaram vários anos no exílio até retornarem ao Chile em 1979.

António Guterres afirmou que a ex-presidente é também uma sobrevivente do que chamou de “brutalidade das autoridades” da época da ditadura.

Segundo ele, não havia melhor escolha que Bachelet para o posto. E ressaltou que ela assumirá o cargo no mesmo ano em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos completa o septuagésimo aniversário.

Guterres encerrou dizendo que Michelle Bachelet conhece as responsabilidades da liderança em níveis nacional e global. Para ele, neste momento de desafios para os direitos humanos, a ONU precisa de uma pessoa que possa assegurar a integridade e os mecanismos indispensáveis de direitos humanos, das Nações Unidas.

 

 

 

 

 

Rastreador de notícias: últimas sobre o tema

Declaração dos Direitos Humanos faz 60 anos

Data é comemorada com séries de eventos em Genebra, sede da Conselho de Direitos Humanos, e demais centros da ONU; Ban diz que mundo ainda tem muitos desafios a vencer.

Especial: Direitos Humanos

Acompanhe reportagem sobre os 60 Anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos com partes do discurso da ex-presidente da Comissão dos Direitos Humanos, Eleanor Roosevelt, do ex-líder civil americano, Martin Luther King e do ministro da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Paulo Vannuchi.