Agências da ONU querem ação urgente para combater resistência antimicrobiana

18 julho 2018

Relatório analisou situação em 154 países; vários Estados-membros criaram legislação para esta área, mas faltam instituições e recursos para fazer cumprir novas regras; mundo corre risco de perder uso desses medicamentos. 

Vários países estão tomando passos importantes no combate à resistência antimicrobiana, mas ainda existem sérias lacunas, é preciso ação urgente.

A conclusão é de um relatório divulgado esta quarta-feira pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, FAO, pela Organização Mundial da Saúde Animal, OIE, e a Organização Mundial da Saúde, OMS.

Progresso

A pesquisa, que analisou o caso de 154 países, diz que “o progresso no desenvolvimento e implementação de planos é maior em países de alta renda do que em países de baixa renda, mas todos têm espaço para melhorias”.

Segundo o relatório, 105 nações já têm um sistema de vigilância para infecções em humanos e 68 têm sistemas que permitem seguir o consumo de antimicrobianos.

Os investigadores dizem que 123 Estados-membros têm leis que regulam a venda, incluindo a exigência de uma prescrição para uso humano. As agências da ONU acreditam que esta é “uma medida fundamental para combater o uso excessivo e o uso indevido”.

Apesar de toda a legislação, o relatório informa que a sua implementação varia muito e medicamentos não regulamentados estão disponíveis no mercado.

O relatório afirma que “isso coloca a saúde humana e animal em risco, potencialmente contribuindo para o desenvolvimento de resistência antimicrobiana”.

Produção animal

A pesquisa destaca áreas, particularmente nos setores de animais e de alimentos, onde há uma necessidade urgente de investimento e ação.

Apenas 64 países seguem as recomendações das três agências para limitar o uso de antimicrobianos na produção animal. Destes, 39 são países de alta renda, com a maioria na Europa. Apenas três países em África e sete nas Américas deram este passo.

Apesar disso, entre os dez principais países produtores de carne de frango, suína e bovina, nove já desenvolveram um plano de ação nacional.

Ambiente

Há também falta de ação nos setores ambiental e vegetal. Embora 78 países tenham regulamentos para prevenir a contaminação do ambiente, apenas 10 têm sistemas que controlam a forma como os resíduos são libertados.

Em nota, o diretor-geral assistente de Resistência Antimicrobiana da OMS, Ranieri Guerra, pede "aos governos que assumam compromissos sustentados em todos os setores, caso contrário, corre-se o risco de perder o uso desses preciosos remédios".

A vice-diretora-geral da FAO, Maria Helena Semedo, afirma que “os países precisam fazer mais para reduzir o uso excessivo e desregulado de antimicrobianos na agricultura”. Segundo ela, a agência quer que “os países eliminem progressivamente o seu uso para promoção do crescimento na produção animal”.

O relatório adianta ainda que 100 países já possuem planos de ação nacionais para a este problema e que outros 51 países estão a desenvolvê-los. Apenas 10 países identificaram métodos de financiamento para implementar os planos.

 

Apresentação: Alexandre Soares.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Siga-nos no Twitter! Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud