Em Nova Iorque, chefe da ONU deposita coroa de flores em tributo a forças de paz

1 junho 2018

Secretário-geral diz que Nações Unidas vão sempre honrar pacificadores; para António Guterres, perigos no terreno aumentaram; para ele, na ONU o símbolo mais conhecido é o do boina-azul.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, depositou uma coroa de flores em homenagem aos soldados da paz falecidos em serviço. Ele prestou o tributo, na sede em Nova Iorque, acompanhado de boinas-azuis de várias partes do mundo.

Guterres afirmou que desde que a organização abriu sua primeira missão, há sete décadas, mais de 3,7 mil forças militares, policiais e civis perderam a vida em serviços. Todos estavam trabalhando pela paz. Somente no ano passado, foram 132 baixas de 37 países.

Dívida

Antes de pedir um minuto de silêncio em honra das vítimas, o chefe da ONU disse que elas deram suas vidas para proteger a dos outros e que a organização estaria sempre em dívida com essas forças de paz.

No discurso, Guterres lembrou que a bandeira azul da organização “já não oferece proteção aos soldados de paz”.

Medalha

Num evento separado, Guterres condecorou, em homenagem póstuma, 128 boinas-azuis com a medalha Dag Hammarskjöld.

Ele citou missões de paz de paz perigosas para as tropas da ONU como a Minusma, no Mali com 42 mortes, seguida da Monusco, na República Democrática do Congo com 33, e a Minusca, na República Centro-Africana com 27 mortes.

Em termos de países contribuintes que perderam suas tropas estão Tanzânia e Chade.

Guterres expressou solidariedade às famílias e aos países e garantiu que “as Nações Unidas vão sempre lembrar e honrar seus entes queridos”.

ONU/Marco Dormino
Secretário-geral visitou o Mali esta semana.

Ação pela Paz

Este ano, a ONU lançou a Ação pela Manutenção da Paz uma iniciativa para tornar essas operações “mais fortes, mais seguras e mais eficazes”. O secretário-geral disse estar “empenhado em atuar em parceria forte com os Estados-membros para responder à dimensão desse desafio”.

Na segunda-feira, Guterres passou o dia das Forças de Manutenção de Paz no Mali. No evento em Nova Iorque, ele contou que o país “sofre a ação de grupos terroristas e organizações criminosas”.

Mandatos

Para o secretário-geral, está claro que é preciso “forças de paz bem treinadas, bem preparadas e equipadas e com mentalidade certa para enfrentar os ambientes extremamente desafiadores nos quais eles devem operar hoje”.

Guterres quer um apoio mais forte de toda a comunidade internacional, “primeiro do Conselho de Segurança, com mandatos claros e focalizados por ser impossível para os pacificadores fazerem tudo o que lhes é pedido ou se espera que façam”.

Guterres disse não haver símbolo da ONU mais conhecido do que uma boina-azul.

Ele homenageou o antigo secretário-geral Dag Hammarskjöld, morto há 57 anos na queda de um avião em território da atual Zâmbia.

Para Guterres, o seu antecessor “pagou o preço final pela paz” enquanto estava no  cargo.

 

Apresentação: Eleutério Guevane.

 

♦ Receba atualizações diretamente no seu email - Assine aqui a newsletter da ONU News
♦ Baixe o aplicativo/aplicação para - iOS ou Android
♦ Assista aos vídeos no Youtube e ouça a rádio no Soundcloud