Ban saúda líder de Madagáscar por não concorrer às presidenciais

Ban saúda líder de Madagáscar por não concorrer às presidenciais

Secretário-Geral refere que a medida deve ajudar a facilitar a condução de eleições livres e credíveis; presidenciais estão previstas para Maio.

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O Secretário-Geral saudou a decisão do presidente de transição de Madagáscar, Andry Rajoelina, de não concorrer às eleições presidenciais previstas para o próximo mês de Maio.

Em mensagem, Ban Ki-moon refere que a medida, aliada à promessa igual feita pelo antigo presidente Marc Ravalomanana, deve ajudar a facilitar a realização de eleições livres e credíveis com vista ao fim da transição.

Militares

Em 2009, o líder malgaxe recebeu o poder de militares que derrubaram o antigo presidente Marc Ravalomanana. De acordo com agências noticiosas o antigo líder está exilado na África do Sul.

Após o ato, Andry Rajoelina autoproclamou-se “presidente de transição”, uma decisão que foi validada pelo Tribunal Constitucional.

Calendário Eleitoral

Para Ban será importante manter o calendário eleitoral adotado pela Comissão Nacional Eleitoral Independente da Transição.

O chefe da ONU também considerou fundamental que também seja cumprido o roteiro para o fim da crise, de 2011, particularmente no que se refere à implementação total de medidas para consolidar a confiança.

O Secretário-Geral manifestou ainda a prontidão da organização em continuar a apoiar o governo e o povo de Madagáscar.